Opositor acusa governo da Colômbia de compra de votos

BOGOTÁ (Reuters) - Um líder do Partido Liberal, de oposição, acusou na segunda-feira o governo do presidente colombiano, Alvaro Uribe, de comprar congressistas para que votem a favor de um referendo que busca permitir que o mandatário seja candidato a uma segunda reeleição imediata. A denúncia, negada pelo governo, foi feita poucas horas antes de a Câmara de Representantes votar um texto do projeto de referendo que permitiria a Uribe ser candidato em 2010 e buscar seu terceiro período consecutivo de governo.

Reuters |

A acusação relembrou o caso de dois ex-congressistas que foram condenados há meses pela Corte Suprema de Justiça por terem recebido favores do governo para que votassem por uma reforma constitucional que permitiu a primeira reeleição de Uribe em 2006.

"Hoje o país vê, ao vivo e a cores, antes da votação, as ilegalidades no trâmite do referendo," afirmou o pré-candidato à Presidência Rafael Pardo, do Partido Liberal.

Embora não tenha fornecido provas nem maiores detalhes sobre as acusações, Pardo garantiu que o governo desviou recursos de 110 milhões de dólares que estavam destinados à segurança e que foram disponibilizados para a reconstrução de 52 sedes de prefeituras em diferentes regiões do país.

(Reportagem de Luis Jaime Acosta)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG