Oposição venezuelana tem desafio de se manter unida até 2012

Vitoriosos nas eleições legislativas de domingo, opositores defendem primária para escolher rival de Hugo Chávez

iG São Paulo |

A oposição venezuelana conseguiu voltar com força ao Parlamento após as eleições legislativas de domingo e mostrou que o presidente Hugo Chávez é "derrotável", mas terá como principal desafio se manter unida para as eleições presidenciais de 2012, indicam analistas.

"A oposição tem uma oportunidade de ouro de se consolidar. Ficou muito tempo sem conseguir apresentar triunfos que oxigenassem seus seguidores, que mostrassem que Chávez é derrotável", disse Luis Vicente León, do instituto de pesquisas Datanálisis.

A Mesa da Unidade Democrática (MUD) foi criada para estas eleições com um conjunto de partidos de diversos perfis políticos unidos apenas por sua oposição a Chávez. Nela estão incluídos a velha oposição tradicional venezuelana -democrata-cristãos e social-democratas, uma dissidência de esquerda e grupos de jovens liberais.

"O desafio agora é passar da articulação eleitoral para a verdadeira articulação política. A Mesa é por enquanto um grupo organizado para eleições, mas deve ser uma proposta comum de país", ressaltou León.

Segundo o bloco opositor, nas eleições de domingo a MUD obteve mais de 50% dos votos, o que representa uma franca vitória apesar de o sistema de distribuição de acentos previsto por lei conceder menos deputados que o governista Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

Animada por seu desempenho na eleição parlamentar de domingo, a oposição venezuelana tem pela frente a tarefa de escolher um candidato capaz de enfrentar Hugo Chávez no pleito presidencial de 2012. A ala mais jovem da oposição defende um processo de eleições primárias para escolher o candidato adversário de Chávez em 2012.

"Ninguém pode impedir que o processo de escolha de um candidato presidencial seja feito via uma primária", disse governador do Estado de Miranda, Henrique Capriles Radonski, acrescentando que esse processo deveria ocorrer no começo de 2012.

Boicote

Desde 2005, quando a oposição decidiu não participar das eleições legislativas, em uma decisão considerada hoje um grave erro, tem conseguindo aos poucos voz e voto no panorama político. Em 2007, o governo sofreu sua primeira derrota nas urnas desde a chegada de Chávez ao poder em 1998, em um referendo sobre uma reforma da Constituição, que foi rejeitada.

Um ano depois, em 2008, o chavismo venceu as eleições regionais e municipais, mas a oposição triunfou nas cidades mais populosas e ricas do país, como Maracaibo, Caracas e San Cristóbal.

*Com Reuters e AFP

    Leia tudo sobre: venezuelaeleiçõeshugo chávezoposiçãoassembleia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG