Oposição venezuelana firma aliança política para eleições de 2012

Reunidos na Mesa da Unidade Democrática, partidos apoiarão mesmo candidato contra Hugo Chávez, que garantiu estar bem de saúde

iG São Paulo |

A oposição venezuelana, reunida na Mesa da Unidade Democrática, firmou nesta segunda-feira uma "aliança política de longo alcance", em que se compromete a apresentar um único candidato para enfrentar Hugo Chávez nas eleições presidenciais de 2012 , e traçar um projeto comum de governo.

AFP
Líderes da oposição venezuelana Henry Falco (esq) e Henrique Capriles participam de reunião da Mesa da Unidade Democrática em Caracas

"Nós, signatários desse acordo, apoiaremos o candidato que, nas primárias de 12 de fevereiro, for escolhido como representante da Unidade Democrática nas próximas eleições presidenciais", diz o documento chamado de Compromisso por um Governo de União Nacional, assinado por representantes dos partidos de oposição e por todos os pré-candidatos presidenciais.

"Essa aliança vai além das eleições e de um mero acordo de governo para poucos anos. Constituímos uma aliança política e social de longo alcance", diz o texto, que aponta um futuro governo que tenha entre suas prioridades reativar a economia e promover a segurança dos cidadãos.

Dez líderes opositores, entre eles governadores e prefeitos, apresentaram-se como candidatos nas primárias da MUD, que elegerá o candidato comum que disputará com Hugo Chávez as eleições de 7 de outubro de 2012.

Segundo pesquisas de opinião, os governadores dos estados de Miranda, ao norte, e Zulia, a oeste, Henrique Capriles e Pablo Pérez, respectivamente, têm as maiores chances de se tornar o candidato de oposição.

Em meio a composição eleitoral, Chávez, cujo estado de saúde tem sido classificado como mais frágil do que o aparente , garantiu nesse domingo que está "saudável" e que a quimioterapia contra o câncer não lhe causa efeitos colaterais.

"Sinto meu corpo saudável e agradeço Deus, a todos vocês e à ciência médica, além do meu corpo. Sinto minha alma renascida, curada", afirmou o presidente venezuelano em telefonema durante ato presidido pela ministra da Juventude, Maripili Hernández, transmitido pelo canal estatal VTV.

Chávez garantiu que todos os seus sinais vitais permanecem bem e evoluindo positivamente. "Por sorte, o tratamento de quimioterapia não afetou nenhum órgão, não teve efeitos colaterais", disse.

O presidente não aparece em público desde que v oltou à Venezuela, na quinta-feira, após ter concluído o quarto ciclo de quimioterapia em Cuba , e também não enviou mensagens pelo Twitter, rede social na qual tem milhões de seguidores.

O silêncio de Chávez deu origem a boatos sobre o agravamento de seu estado de saúde, que aumentaram com a decisão do presidente de cancelar seu encontro com o líder iraniano, Mahmud Ahmadinejad, previsto para o sábado.

Chávez, que não permite que outros divulguem informações sobre seu estado de saúde, planeja concorrer à reeleição em 7 de outubro de 2012, para um terceiro mandato de seis anos.

Com AFP

    Leia tudo sobre: chávezvenezuelaeleiçãocampanhaoposição

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG