Oposição pede urgência para eleição de novo premiê na Tailândia

Por Chalathip Thirasoonthrakul BANGCOC (Reuters) - O Partido Democrata, de oposição, propôs nesta segunda-feira a realização de uma sessão parlamentar urgente para eleger o novo primeiro-ministro do país, alegando ter votos suficientes para formar uma coalizão.

Reuters |

Em petição ao presidente do Parlamento, os democratas disseram que a eleição do novo governo -- em substituição ao gabinete afastado na semana passada pela Justiça -- deveria ocorrer entre os dias 12 e 26 de dezembro.

"Após conversar com outros partidos, eles irão cooperar conosco na formação de um novo governo, liderado pelo Partido Democrata", disse a jornalistas o candidato a premiê Abhisit Vejjajiva, de 44 anos, líder do Partido Democrata.

O presidente do Parlamento, Chai Chidchob, disse que marcará a data da votação após conferir as assinaturas na petição, que também precisa do aval do rei.

O resultado da mais recente polêmica na longa crise política tailandesa, que resultou na ocupação dos principais aeroportos de Bangcoc pela oposição durante oito dias, está longe de ser conhecido.

Os democratas e seus novos aliados dizem ter 260 votos entre os 480 parlamentares, o que seria suficiente para formar um novo governo.

Mas o partido onde militam aliados do polêmico ex-premiê Thaksin Shinawatra disse no domingo que também tem votos suficientes para montar um gabinete.

"Nossos antigos parceiros de coalizão vão se juntar a nós. Temos votos suficientes", garantiu Kanawat Wasinsungworn, vice-líder do Puea Thai, que substituiu o Partido do Poder Popular (PPP), proscrito na semana passada pela Justiça.

Normalmente, o Parlamento tem 480 deputados, mas a sentença judicial da semana passada criou uma confusão, já que dezenas de deputados do PPP e de dois outros partidos aliados tiveram seus direitos políticos cassados por cinco anos.

Eleições suplementares para 29 vagas serão realizadas em 11 de janeiro, disse a Comissão Eleitoral na segunda-feira.

Depois da sentença judicial que afastou o antigo governo, o gabinete provisório do PPP convocou uma eleição para primeiro-ministro nos dias 8 e 9 de dezembro, mas o rei Bhumibol Adulyadej não aprovou a sessão especial do Parlamento.

Na quinta-feira, o monarca, de 81 anos, não pôde fazer o tradicional pronunciamento da véspera do seu aniversário, alegando estar doente. O palácio diz que ele já melhorou desde então.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG