Oposição pede recontagem de votos para presidente na Zâmbia

Lusaka, 4 nov (EFE).- O partido opositor da Zâmbia Frente Patriótica, liderado por Michael Sata, reivindicou hoje ao Tribunal Supremo nova apuração dos votos da eleição presidencial de quinta-feira, vencida por Rupiah Banda, do governamental Movimento Multilateral para a Democracia (MMD).

EFE |

Sata pediu que a Comissão Eleitoral da Zâmbia apresente ao Tribunal os documentos legais que dão a vitória a Banda, por menos de 2% de diferença nos votos.

Ele acusa o Governo de manipular os resultados em 78 dos 150 distritos eleitorais do país.

Embora os observadores da União Africana (UA) e da Comunidade para o Desenvolvimento da África Meridional (SADC) não tenham detectado irregularidades, várias organizações locais acusaram o MMD de fraude.

O Fórum Nacional Cristão disse ter uma lista de colégios eleitorais nos quais o número de votos registrados ultrapassa o dos eleitores registrados e outros grupos afirmaram que, no distrito de Mongu, os números da Comissão Eleitoral não coincidem com as recolhidas por observadores independentes.

A Frente Patriótica acusou instituições governamentais, entre elas os serviços secretos, de interferir no resultado final do pleito em favor do partido da situação.

Sata exigiu que a Comissão Eleitoral volte a tabular os votos de todos os distritos eleitorais, enquanto se espera a decisão do Tribunal sobre se os votos devem ou não ser recontados.

O candidato oposicionista disse que suas reivindicações "não são para forçar a cassação de Banda como presidente, mas para saber se ele ganhou as eleições de forma legítima".

As eleições presidenciais da quinta-feira passada, de caráter extraordinário, foram convocadas depois da morte do presidente Levy Mwanawasa, em agosto, após sofrer uma trombose cerebral.

Caso a eleição seja ratificada, Banda, que era vice de Mwanawasa, será o presidente da Zâmbia até 2011, quando termina o mandato de seu antecessor, e deve se realizar novo pleito para um período de cinco anos. EFE mc/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG