Oposição obtém vitória esmagadora em eleição histórica no Japão

TÓQUIO - A oposição japonesa se encaminhava neste domingo para uma conquista eleitoral histórica, segundo pesquisas de boca-de-urna. A vitória sobre o partido conservador, há décadas no poder, dará aos democratas a tarefa de reviver a enfraquecida economia japonesa.

Redação com agências internacionais |

Hatoyama disse hoje que esta foi "a vitória do povo". A vitória do Partido Democrático (PD) coloca fim a meio século de governo quase ininterrupto do Partido Liberal Democrático (PLD) e encerra um impasse no Parlamento, que terá um gabinete voltado para investimentos direcionados ao consumo, ao corte de gastos supérfluos e à redução do poder dos burocratas.

As pesquisas indicam que o PD obterá uma vitória esmagadora e possivelmente conquistará dois terços das cadeiras na poderosa Câmara Baixa do Parlamento, formada por 480 deputados. Esses números confirmam previsões anteriores de uma derrota arrasadora do PLD, o partido do primeiro-ministro Taro Aso.

Eleições no Japão

Um alto dirigente do PLD admitiu que o partido, que só deixou de ficar no poder por apenas 10 meses desde sua fundação, em 1955, se encaminha para uma "derrota histórica."

"As previsões da mídia foram chocantes. Nós tínhamos dúvidas, mas agora acho que estão se tornando realidade," disse Yoshihide Suga, vice-presidente do Conselho de Estratégia Eleitoral do PLD.

A derrocada do partido governista desmanchará uma parceria de três vias entre o PLD, grandes empresas e os burocratas, a qual conduziu o Japão a um grande poderio econômico depois da derrota na Segunda Guerra Mundial. Essa estratégia afundou quando a "bolha" econômica do Japão explodiu no final dos anos 1980 e depois disso o país entrou em estagnação.

"Isto significa o fim do sistema político do pós-guerra no Japão," disse Gerry Curtis, um especialista em Japão na Universidade de Columbia. "Marca o fim de uma longa era e o começo de uma outra, sobre a qual há muita incerteza."


Yukio Hatoyama ganhou hoje por maioria absoluta as eleições

Os mercados financeiros esperavam o fim do impasse no Parlamento, onde o PD e seus aliados controlam a menos influente Câmara Alta e podem retardar a aprovação de projetos.

Os democratas prometeram redirecionar o foco dos investimentos para as famílias, com benefícios para as crianças e ajuda aos fazendeiros, ao mesmo tempo que restringirão o poder dos burocratas, frequentemente responsabilizados pelo fracasso do Japão em enfrentar problemas como o do desequilíbrio do sistema de pensões.

O partido também quer estabelecer uma posição diplomática mais independente dos Estados Unidos, o que desperta preocupações sobre uma fissura na aliança entre os dois países. "A derrota do PLD provavelmente será mais sentida em Washington do que no Japão," disse Michael Auslin do American Enterprise Institute, em Washington.

Mudança no partido de situação

Reuters
Taro Aso admite derrota
Taro Aso admite derrota no Japão
O primeiro-ministro japonês, Taro Aso, anunciou neste domingo a intenção de renunciar à presidência do Partido Liberal Democrata (PLD, direita). Questionado por um jornalista da rede de televisão pública NHK sobre uma eventual renúncia, Aso respondeu: "preciso assumir minhas responsabilidades".

"Temos que organizar rapidamente uma eleição para a presidência do partido", prosseguiu, acrescentando: "como simples membro, tenho que lutar pela renovação do PLD".

Três altos dirigentes do partido também anunciaram sua renúncia neste domingo.

"Informamos o presidente do partido, Taro Aso, de nossa intenção de renunciar", declarou o secretário-geral do PLD, Hiroyuki Hosoda, destacando que os outros dois são o presidente do Conselho Geral, Takahashi Sasagawa, e o presidente encarregado da Política e da Pesquisa, Kosuke Hori.

"Lamento muito", acrescentou Hosoda, número dois do partido conservador que dominou o Japão praticamente sem interrupção nos 54 últimos anos.

 Oposição abre nova era política no Japão; assista:

Leia mais sobre:  Japão

    Leia tudo sobre: japão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG