Oposição libanesa rejeita proposta de governo de união nacional

BEIRUTE (Reuters) - O primeiro-ministro do Líbano, Saad al-Hariri, entregou ao presidente sua proposta para um governo de união nacional nesta segunda-feira, uma manobra rapidamente rechaçada por grupos de oposição como o Hezbolá. Hariri foi indicado como premiê no final de junho, mas ainda não obteve um consenso com a oposição para uma coalizão de governo, que deve incluir o Hezbolá, apoiado pela Síria e pelo Irã, e seus aliados.

Reuters |

O presidente Michel Suleiman, que assumiu o cargo no ano passado por consenso, não deve aprovar qualquer proposta para um gabinete que não tenha apoio da oposição.

Após encontro com Suleiman, Hariri disse que deseja ver o novo governo formado antes de viajar para a Assembleia Geral da ONU no final do mês.

Uma fonte graduada da oposição disse à Reuters que "não vamos lidar com esta proposta, porque não sabemos nada dela. No que nos diz respeito, não existe e não teremos nada a ver com ela."

As facções rivais concordaram com uma divisão ampla dos assentos no novo gabinete. Mas Hariri, filho do primeiro-ministro assassinado Rafik Hariri, lutou para chegar a um acordo nos mínimos detalhes com políticos oposicionistas.

No cerne da disputa estão as exigências do líder cristão Michel Aoun, aliado do Hezbolá. O Movimento Patriota Livre de Aoun detém mais cadeiras no parlamento do que qualquer partido cristão.

Hariri, líder de uma aliança que venceu a eleição parlamentar de 7 de junho, tem resistido à exigência de Aoun de manter seu genro Gebran Bassil como ministro das Telecomunicações. Aoun também quer nomear o ministro do Interior.

O gabinete proposto por Hariri nesta segunda-feira manteria Ziad Baroud como ministro do Interior e concederia o Ministério das Telecomunicações a alguém próximo do primeiro-ministro em exercício, disseram fontes políticas.

Aou disse que a manobra de Hariri mostra que ele não quer formar um governo. "Pelo contrário, ele quer jogar com a formação do gabinete de acordo com seu humor," disse ele.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG