La Paz, 27 ago (EFE) - Os cinco governadores opositores ao presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciaram hoje que não admitirão, em suas regiões, a realização do referendo sobre o projeto de nova Constituição, que o Governo estuda convocar por decreto.

A decisão foi adotada hoje pelo denominado Conselho Nacional Democrático (Conalde) que reúne os governadores regionais autonomistas de Santa Cruz, Rubén Costas; Tarija, Mario Cossío; Pando, Leopoldo Fernández; de Beni, Ernesto Suárez, e de Chuquisaca, Savina Cuéllar.

Cuéllar não participou da reunião, mas aprova as decisões adotadas hoje por seus colegas na localidade de Villamontes (sul), epicentro de um bloqueio de rotas em uma região rica em gás, segundo disse à imprensa Cossío, porta-voz do grupo.

"Caso o Governo nacional queira impor este plebiscito ilegal, os cinco departamentos não admitirão a realização em seus territórios", sustentou o governador regional de Tarija.

Morales estuda aprovar a convocação do referendo sobre a nova Constituição por meio de um decreto, já que a oposição que controla o Senado rejeitou plenamente a possibilidade de tratar de uma lei com esse propósito.

Os governadores respaldaram também o bloqueio que vários grupos opositores fazem desde segunda-feira nas rotas que ligam à zona leste e sul da Bolívia com Argentina e Paraguai e anunciaram que cada departamento decidirá suas próprias medidas de apoio. EFE ja/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.