Oposição da Geórgia cobra esclarecimento sobre conflito

Por Matt Robinson e Margarita Antidze TBILISI (Reuters) - Depois da retirada dos tanques russos, os líderes da Geórgia vão se deparar com perguntas difíceis a respeito da trágica situação em que se encontra o país, afirmou na segunda-feira uma figura importante da oposição georgiana.

Reuters |

Nino Burjanadze, ex-presidente do Parlamento, disse à Reuters que era fundamental haver união no período de guerra.

No entanto, observou que, depois da retirada russa, deveria ser realizada uma análise completa 'sobre o que aconteceu e sobre por que aconteceu'.

'As mães georgianas são muito corajosas e estão prontas para fazer com que seus filhos defendam o país', afirmou Burjanadze, que, em 2003, liderou a 'Revolução Rosa' da Geórgia junto do atual presidente da nação, Mikheil Saakashvili.

'Mas as mães georgianas, como todas as mães do mundo, têm o direito de saber por que eles estão fazendo isso', disse.

'Receio que não será muito fácil para o governo responder a essas perguntas.'

Os comentários de Burjanadze parecem com aqueles vindos de outros dois líderes da oposição e indicam os desafios com que se defrontará Saakashvili quando o patriotismo der lugar à dura realidade da derrota militar, da invasão e da queda de influência sobre a Ossétia do Sul e a Abkházia.

Os soldados georgianos foram obrigados a sair das duas regiões separatistas na semana passada em vista da enorme contra-ofensiva lançada pela Rússia na Ossétia do Sul.

Centenas de pessoas foram mortas e milhares fugiram de suas casas. Saakashvili havia iniciado um ataque para retomar o controle sobre a capital daquela região, Tskhinvali. No entanto, viu-se surpreendido pela intensidade da resposta russa.

A ofensiva abalou a economia e o sistema de transporte da Geórgia, além de, talvez, ter acabado com suas esperanças de ingressar na Organização do Tratado do Atlântico Note (Otan).

Na segunda-feira, apesar de uma promessa de se retirarem, soldados russos continuavam ocupando partes da Geórgia.

(Reportagem adicional de Niko Mchedishvili)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG