Oposição condena plebiscito em áreas devastadas por ciclone em Mianmar

Bangcoc, 15 mai (EFE).- O principal partido da oposição de Mianmar (antiga Birmânia) condenou hoje a decisão da Junta Militar de dar prosseguimento ao plebiscito constitucional, adiado para o próximo dia 24 nas áreas devastadas no do país pelo ciclone Nargis.

EFE |

"Este não é o momento apropriado, as pessoas estão morrendo, e o Conselho de Estado para a Paz e o Desenvolvimento - denominação oficial do regime birmanês - é responsável pelas vidas dos sobreviventes", afirmou em comunicado a Liga Nacional pela Democracia (LND).

O partido, liderado pela Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, sob prisão domiciliar desde 2003, pediu ao Governo que deixe de lado o plebiscito e se concentre em ajudar os quase dois milhões de desabrigados.

A Junta Militar anunciou hoje que o texto constitucional foi aprovado por 92,4% dos 22 milhões de eleitores que votaram no sábado em Mianmar. EFE fmg/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG