Oposição amplia vantagem em pesquisa eleitoral na Grã-Bretanha

LONDRES (Reuters) - O principal partido de oposição da Grã-Bretanha, o Partido Conservador, ampliou sua vantagem sobre o Partido Trabalhista para oito pontos percentuais em uma pesquisa eleitoral, tornando-o o maior partido nestas eleições, mas sem conseguir uma maioria absoluta. O anúncio do orçamento pelo governo esta semana pode influenciar um pouco as intenções de voto dos eleitores, afirmam pesquisadores. Uma greve de tripulantes da companhia aérea British Airways também pode aumentar os problemas dos trabalhistas.

Reuters |

A pesquisa do News of the World ICM mostra que o Partido Conservador subiu 1 ponto, para 39 por cento, enquanto que o Partido Trabalhista caiu 1 ponto, para 31 por cento. O terceiro maior partido do país, o Partido Liberal Democrata, permaneceu estável com 19 por cento da intenções de voto em comparação com a última pesquisa, divulgada na semana passada.

"Nossa pesquisa foi feita após a divulgação do orçamento, então a maior diferença (entre os partidos) pode sugerir que os eleitores não se impressionaram com as medidas anunciadas", disse o co-diretor da ICM, Martin Boon.

Caso as projeções se repitam de forma uniforme nas eleições, o Partido Conservador seria o maior partido entre os 650 membros do Parlamento, mas ainda não teria uma maioria absoluta, por 17 parlamentares, segundo o jornal The News of the World.

Pesquisas vêm mostrando que a liderança do Partido Conservador vem perdendo força nas últimas semanas, o que põe em dúvida sua capacidade de por fim aos 13 anos do Partido Trabalhista no poder.

Os mercados financeiros temem que uma minoria ou um governo de coalizão relutaria em tomar as fortes medidas que investidores querem para cortar o déficit orçamentário, que deve chegar às 167 bilhões de libras este ano, segundo previsões.

Um parlamento dividido pode dar poder de barganha ao Partido Liberal Democrata com os conservadores ou trabalhistas, que irão de seu apoio para aprovar leis.

O Ministro das Finanças, Alistair Darling, prometeu na quarta-feira um pacote de 2,5 bilhões de libras para impulsionar o crescimento econômico, um aumento nos impostos para os mais ricos e menos empréstimos que o previsto na última divulgação do orçamento há três meses, antes das eleições, previstas para o dia 6 de maio.

De acordo com a pesquisa NoW/ICM, quase um quarto (24 por cento) das 1 mil pessoas entrevistadas entre 24 e 25 de março não devem votar no Partido Trabalhista após a divulgação do orçamento, enquanto 9 por cento afirmaram que o anúncio aumentou a probabilidade de votarem pelo partido governista.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG