Oposição acusa militares de planejar de atentado contra Tsvangirai

A oposição zimbabuana acusou nesta segunda-feira os serviços de inteligência militar de planejar um atentado contra o candidato Morgan Tsvangirai, adversário do presidente Robert Mugabe no segundo turno eleitoral de 27 de junho.

AFP |

"Estão matando nosso povo desde 1980 e agora os serviços de inteligência militar de Mugabe confeccionaram uma lista de 36 a 40 pessoas a ser assassinadas", disse à AFP Tendai Biti, secretário-geral do Movimento pela Mudança Democrática (MDC), principal partido da oposição, durante uma visita a Nairóbi.

"O primeiro da lista é nosso líder, Morgan Tsvangirai, e depois eu e nosso porta-voz, Nelson Chamisa", acrescentou.

Tsvangirai - que derrotou Mugabe no primeiro turno da eleição presidencial de 29 de março - deveria ter retornado ao Zimbábue no final de semana passado para iniciar sua campanha eleitoral. Mas suspendeu ua volta na última hora, depois que o MDC anunciou a descoberta de um complô de assassinato.

"Sabemos que há um grupo de 18 franco-atiradores dos serviços secretos militares que receberam a tarefa de matar nosso líder e todos nós", disse Biti.

Este último, assim como Tsvangirai, estão fora do Zimbábue desde a votação de 29 de março. Segundo muitos analistas, o fato de o líder opositor se manter fora do país está diminuindo sua força para a nova disputa eleitoral contra Mugabe, que aos 84 anos tenta se reeleger pela sexta vez como presidente.

Já o partido de Mugabe, a União Nacional Africana-Frente Popular (ZANU-PF) tenta aproveitar a vantagem formando comitês especiais para que não se repita a derrota de março, quando nas eleições legislativas perdeu o controle do Parlamento pela primeira vez desde que o Zimbábue se tornou independente da Grã-Bretanha, em 1980.

De acordo com o jornal estatal Herald, um desses comitês se dedicará a garantir a alimentação dos eleitores antes da votação, enquanto outro alugará ônibus para levá-los aos locais de votação.

"Percebemos que as pessoas estavam com fome quando foram votar (em março) e o comitê tem a obrigação de garantir alimentos, enquanto outro comitê será encarregado do transporte e da mobilização", disse o porta-voz do ZANU-PF, Nathan Shamuyarira.

Este ressaltou que é vital que os simpatizantes de seu partido compareçam às urnas para votar em junho para que Mugabe possa se manter no poder, que ocupa há 28 anos.

burs-co/dm/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG