Oposição aceita referendos confirmatórios na Bolívia

LA PAZ (Reuters) - Os poderosos governadores que fazem oposição ao governo da Bolívia aceitaram na sexta-feira submeter-se a um referendo confirmatório, cancelando o boicote a uma consulta que pode colocar fim tanto aos mandatos deles quanto ao do presidente do país, Evo Morales. Com o referendo, marcado para o dia 10 de agosto, o governo tenta solucionar uma grave crise política que dividiu o país entre os mais pobres, que desejam a aprovação de uma nova Constituição (capaz de dar força jurídica ao programa oficial de nacionalização da economia), e os mais ricos, contrários a essa manobra.

Reuters |

'Vamos participar desse referendo confirmatório, resultado da imposição e do capricho do presidente da República, por causa da responsabilidade que temos com o nosso povo e para que avancemos no processo de obtenção de autonomia regional', afirmou a repórteres Rubén Costas, governador do departamento de Santa Cruz, o mais rico do país.

Os departamentos controlados pela oposição, localizados na fértil planície oriental da Bolívia, responderam ao processo de consulta popular do governo com vistas a aprovar uma nova Constituição dando início a processos voltados à obtenção de uma maior autonomia regional.

Costas deu aquelas declarações em nome de quatro governadores da oposição, todos reunidos no chamado Conselho Nacional Democrático (Conalde). Esse grupo havia antes rejeitado a possibilidade de participar do referendo porque acredita que a medida não ajudará a solucionar a crise política no país e argumenta que as regras do processo favorecem Morales.

As normas do referendo determinam que o presidente perderá seu cargo se os votos de rechaço ao governo dele superarem em número e porcentagem o volume de votos que recebeu nas eleições de 2005.

Em vista disso, Morales, para sair de seu cargo, precisaria ter 54 por cento dos votos no 'não', uma cifra difícil de ser alcançada devido à popularidade dele.

De outro lado, a fim de tirar do cargo, por exemplo, ao governador de La Paz bastaria que 38 por cento dos eleitores votassem contra ele.

Morales, que espera limitar o poder dos governadores da oposição com o referendo confirmatório, previu que ganhará o pleito com ao menos 60 por cento de apoio e avisou que fracassarão os que 'tentam tirar o índio do poder'.

(Reportagem de Ana María Fabbri)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG