ONU teme fome infantil, e enchentes ameaçam cidade do Paquistão

Inundações são o maior desastre natural da história do Paquistão em termos de quantidade de danos e pessoas afetadas

Reuters |

Enchentes ameaçam submergir duas cidades no sul do Paquistão neste sábado, um mês depois que o desastre das chuvas começou, enquanto a ONU alertou que dezenas de milhares de crianças podem morrer devido à fome na região.

As inundações são o maior desastre natural da história do Paquistão em termos de quantidade de danos e pessoas afetadas, com mais de 6 milhões de habitantes forçados a deixar suas casas, cerca de um milhão deles nos últimos dias, quando as águas se encaminhavam para o sul.

O desastre matou cerca de 1.600 pessoas, causou bilhões de dólares de prejuízo em casas danificadas, infraestrutura e no importante setor da agricultura, além de ter espalhado raiva contra o governo, que é apoiado pelos Estados Unidos e tem mostrado dificuldade em lidar com o problema.

As águas estão começando a recuar na maioria do país, enquanto as correntes vão para o sul, mas fortes marés no Mar Arábico significam que elas ainda causam ameaças a cidades na provincial de Sindh, como Thatta, localizada 70 quilômetros a leste de Karachi.

A água fez o rio Indus transbordar perto de Thatta, assim como fez com outro canal que sai do rio, elevando o perigo, afirmou à Reuters Riaz Ahmed Soomro, comissário de resgate na província de Sindh.

"A água não chegou à cidade até agora, mas está se aproximando," afirmou Soomro.

Dezenas de milhares de pessoas deixaram a cidade, que fica no delta do rio e tem população de aproximadamente 300 mil pessoas, após as autoridades terem aconselhado os moradores a sair do local.

As enchentes começaram no final de julho, depois de torrenciais chuvas de monções terem caído sobre a bacia do rio Indus.

O número de mortos deve subir significativamente enquanto os corpos de pessoas desaparecidas vão sendo encontrados, disse a autoridade de gerenciamento do desastre.

Mesmo antes das inundações, a economia do Paquistão estava frágil. O crescimento, previsto para 4,5% neste ano fiscal, agora deve ficar entre zero e 3%.

As enchentes danificaram pelo menos 3,2 milhões de hectares de terras cultiváveis, cerca de 14% da capacidade do país, de acordo com a agência de alimentação da ONU. O custo total dos danos às colheitas deve chegar a US$ 2,86 bilhões.

    Leia tudo sobre: PAQUISTAOFOMEAMEACA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG