Genebra, 9 mai (EFE) - O Programa Mundial de Alimentos (PMA) da ONU decidiu retomar amanhã seus vôos de ajuda a Mianmar, após tê-los suspenso hoje depois de acusar o Governo de Yangun de se apropriar de um carregamento de ajuda humanitária, anunciou a organização.

"Vamos enviar dois novos aviões de ajuda humanitária amanhã, como previsto, enquanto continuam as discussões com o Governo birmanês sobre a distribuição de mantimentos", disse Nancy Roman, diretora de comunicação do PMA.

Ela afirmou que na manhã de hoje tinham chegado dois aviões do PMA a Mianmar carregados com biscoito de alto valor energético para 95 mil pessoas e que não puderam ser distribuídos pelo pessoal da organização.

Um porta-voz em Bangcoc tinha declarado antes que as 38 toneladas de alimentos e material que tinham chegado a Yangun foram apreendidas e que, por isso, deviam interromper as operações.

Também hoje, o Ministério de Exteriores birmanês tinha anunciado que aceitava a ajuda internacional, mas que não considerava necessária a chegada de pessoal estrangeiro para distribuí-la.

As agências da ONU mostraram nesta sexta-feira sua preocupação com a gravidade da situação humanitária em Mianmar, onde há 1,5 milhão de desabrigados pelo ciclone "Nargis" e às custas da ajuda externa, enquanto a junta birmanesa entrega vistos a conta-gotas aos especialistas internacionais que esperam para entrar no país.

Segundo a Agência da ONU para a Ajuda Humanitária (OCHA), não se sabe ainda a verdadeira magnitude da tragédia, porque há zonas inacessíveis, e "o que se vê é a ponta do iceberg".

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e outras agências advertiram do perigo de epidemias por falta de água potável e pela existência de muitos corpos sem serem enterrados.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) informou, por sua parte, em comunicado que nos próximos dias se esperam em Mianmar chuvas normais para a estação, mas que pode haver uma mudança a partir da próxima quinta ou sexta-feira na qual as precipitações aumentem.

"Embora seja alta a incerteza sobre o momento exato em que haverá chuvas mais significativas, os sistemas gerais de prognóstico apóiam a idéia de que pode haver um episódio de fortes chuvas na próxima semana", assinala a OMM. EFE vh/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.