ONU repudia ordem de Honduras para expulsão de diplomatas venezuelanos

Nações Unidas, 23 jul (EFE).- O presidente da Assembleia Geral da ONU, o nicaraguense Miguel DEscoto, repudiou hoje a ordem de expulsão emitida pelo Governo de fato de Honduras contra os diplomatas da embaixada da Venezuela no país centro-americano.

EFE |

D'Escoto disse "desconhecer de maneira categórica o ultimato" de 72 horas que o novo Executivo hondurenho, presidido por Roberto Micheletti, deu na terça-feira à missão diplomática da Venezuela para que abandone o país.

O ex-chanceler sandinista destacou que as autoridades hondurenhas "não têm legitimidade nem legalidade" para emitir uma ordem dessa natureza. Essa "ameaça ilegal e espúria" constitui "uma nova evidência da despótica conduta" do novo Governo de Honduras, acrescentou.

"Portanto, o delito dele se agravará se, passadas as 72 horas, os golpistas concretizarem as ameaças feitas em seu inválido ultimato.

(Os golpistas) poderão ficar sujeitos a delitos penalizados no país e internacionalmente", enfatizou.

Além de cobrar da comunidade internacional o cumprimento da resolução em que a ONU condena o golpe de Estado contra Manuel Zelaya, o presidente da Assembleia Geral também pediu que qualquer Governo que não o liderado pelo líder deposto não seja reconhecido.

EFE jju/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG