truculento saldo de vítimas em Gaza - Mundo - iG" /

ONU qualifica de truculento saldo de vítimas em Gaza

Redação Central, 11 mar (EFE).- O diretor de Relações Externas da Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinos (UNRWA, na sigla em inglês), Fabian McKinnon, afirmou hoje que a recente operação militar israelense na Faixa de Gaza deixou um saldo de vítimas truculento.

EFE |

Além disso, McKinnon afirmou que "é preciso compreender o número de mortos para avaliar o que está acontecendo em termos humanitários na região".

Em entrevista à Agência Efe, McKinnon assinalou que "a situação em Gaza já era péssima antes do conflito; em termos humanitários e no que diz respeito à falta de facilidades para fornecer ajuda à população".

O funcionário da ONU realiza uma visita oficial à Espanha para informar sobre a situação em Gaza após a ofensiva de Israel entre os passados 27 de dezembro e 18 de janeiro, que matou cerca de 1.700 civis, sendo 431 crianças, enquanto mais de cinco mil ficaram feridos.

"Com o argumento de que lutava contra o terrorismo, Israel acabou destruindo a infraestrutura e a malha produtiva da Faixa de Gaza", disse.

"Tenho dificuldade para compreender como o fato de reduzir a escombros uma fábrica de sorvetes ou de biscoitos pode melhorar o tema da segurança", indicou.

McKinnon disse ainda que muitos dos proprietários dos pequenos negócios destruídos na ofensiva israelense eram "simpatizantes" do Fatah, o movimento nacionalista moderado palestino, e não do Hamas, o grupo islamita que controla a faixa desde junho de 2007 e cujos ataques com foguetes contra território de Israel motivaram a resposta militar do Estado judeu.

"Israel tem a responsabilidade de ser o primeiro a ajudar os feridos, tanto pelo plano do Direito Internacional como por sua condição de força ocupante", disse.

A Faixa de Gaza precisa receber cerca de 500 caminhões diários carregados de ajuda humanitária, mas a autoridade militar israelense só permite a passagem de 120, uma quantidade que serve escassamente para cobrir as necessidades mais básicas da população, indicou. EFE fpa/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG