Na quarta-feira, organização lançará apelo em sede em Nova York por milhões de dólares para auxiliar população afetada

As Nações Unidas lançaram um apelo para ajudar 13,8 milhões de pessoas atingidas por um dos piores desastres humanitários do mundo, as enchentes que paralisam regiões do Paquistão há dias.

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários informou que o desastre superou o número de afetados pelo tsunami no Oceano Índico de 2004, o terremoto no Paquistão de 2005 e o terremoto no Haiti em janeiro de 2010.

Em torno de 1,5 milhão de pessoas foram retiradas do sul, e 1,5 milhão de hectares de fazendas foram destruídos na Província de Punjab, no centro do país, enquanto o pior ocorreu no nordeste paquistanês, que também enfrenta a violência da milícia islâmica do Taleban.

"Divulgaremos em breve um pedido por centenas de milhões de dólares para responder às necessidades imediatas", disse o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, enfatizando que no médio e longo prazo a assistência deverá ser prolongada.

A enviada especial da ONU Jean-Maurice Ripert informou que centenas de milhões de dólares serão necessários para enviar ajuda humanitária imediata e bilhões de dólares para a reconstrução da infraestrutura do país.

Parte do Vale do Swat, no nordeste, onde o Paquistão realizou uma forte campanha contra militantes do Taleban no ano passado, ainda tinha acesso bloqueado por estrada nesta terça-feira.

"Foi um desastre de grande magnitude", disse o subsecretário-geral para Assuntos Humanitários e Ajuda de Emergência da ONU, John Holmes, que lançará o apelo em Nova York na quarta-feira para o que se configurará em um dos maiores esforços humanitários da ONU na história.

Enchentes na Caxemira indiana

Na Caxemira indiana, que também foi afetada por enchentes que assolam o vizinho Paquistão, equipes de resgate continuaram nesta terça-feira socorrendo a população de Leh, arrasada pela lama após chuvas torrenciais que deixaram 174 mortos e destruíram o único enclave da Caxemira que recebia turismo regularmente.

Cinco turistas europeus, três franceses e um italiano estão entre as vítimas estrangeiras confirmadas, disse o inspetor-geral da polícia do Estado da Caxemira, no sul da Índia, Farooq Ahmad. Ele informou que um romeno e um dinamarquês estão "desaparecidos" na avalanche.

A chuva torrencial que caiu nos dias 5 e 6 de agosto provocou a tragédia. A área mais atingida é justamente a mais popular pelos mosteiros e trilhas de "trekking" e campings, que fica localizada na "Caxemira budista", afastada das convulsões políticas que nessas últimas semanas voltaram a ocorrer no Vale da Caxemira, de maioria muçulmana.

Sob o comando do Exército, as equipes de resgate procuraram pelas 200 pessoas desaparecidas, assim como para retirar os feridos que necessitam de atendimento médico.

*Com AFP e EFE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.