ONU pede que Coréia do Norte pare de castigar dissidentes

Nações Unidas, 23 out (EFE).- O relator especial da ONU para a Coréia do Norte, Vitit Muntarbhorn, pediu hoje a Pyongyang que pare de castigar as pessoas que retornam após tentar deixar o país na busca de asilo político.

EFE |

"No último ano recebi informação de que se aplicam castigos mais severos contra as pessoas que retornam" à Coréia do Norte, disse o acadêmico tailandês em coletiva de imprensa após apresentar um relatório à Assembléia Geral das Nações Unidas.

Muntarbhorn, que sua entrada no país negada por Pyongyang, não precisou como se aplicam as sanções, mas assinalou que incluem o envio a campos de trabalho.

"Não deveria haver nenhum tipo de castigo contra pessoas que tentam ir ao exterior", apontou.

O relator especial descreveu a Coréia do Norte como "um país fechado, não democrático e repressivo", no qual não se reconhecem os direitos humanos básicos como a liberdade de expressão, comunicação e religião.

Ele assegurou que o regime comunista da Coréia do Norte segue praticando a tortura, as execuções públicas e os castigos coletivos.

"Se um pai descontenta as autoridades, é toda sua família que termina no campo de trabalho", explicou.

O relator disse que não pode estimar quanto são os reclusos em prisões ou campos de trabalho, mas indicou que, pelas informações que recebeu a respeito, "deve ser um número grande".

Muntarbhorn pediu ao Governo norte-coreano em seu relatório destinado à Assembléia Geral que ponha fim às execuções públicas e ao castigo às pessoas devolvidas no país, assim como que facilite o completo acesso a seu território às organizações humanitárias internacionais.

Fora isso, pediu que Pyongyang coopere plenamente no esclarecimento da situação dos cidadãos japoneses seqüestrados no passado por agentes norte-coreanos. EFE jju/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG