ONU pede ao Timor que não abandone investigação sobre 1999

Por Tito Belo DILI (Reuters) - A ONU pediu na quinta-feira a Timor Leste que não deixe impunes os responsáveis pela violência na época da independência do país, em 1999, e prometeu apoio aos promotores do processo.

Reuters |

Líderes de Timor Leste e da Indonésia (que dominou o país por 24 anos) disseram em julho que a investigação seria encerrada a partir das conclusões de uma comissão conjunta que culpou forças civis e militares indonésias por 'flagrantes violações dos direitos humanos'. Jacarta lamentou os incidentes.

A chamada Comissão da Verdade e Amizade (CVA) foi criada em 2005 para investigar a onda de violência que, segundo estimativa da ONU, matou cerca de mil timorenses. Mas a comissão não tinha poderes para processar os acusados, o que levou a acusações de que estaria promovendo a impunidade. A ONU não colaborou com seu trabalho.

'Ainda apoiamos o processo judicial por meio da investigação da Unidade de Crimes Sérios', disse Allison Cooper, porta-voz da ONU, referindo-se a um organismo criado pela entidade para ajudar o Ministério Público timorense.

'A CVA é apenas um dos mecanismos que tratam ou examinam as atrocidades que podem ter acontecido no país, [mas] também há algo chamado processo judicial', disse ela.

Em breve, funcionários da Unidade de Crimes Sérios devem visitar Dili e conversar com o procurador-geral sobre a questão.

A CVA não identificou autores de atrocidades, mas tampouco recomendou uma anistia. Grupos de direitos humanos vêm pressionando por justiça.

O primeiro-ministro de Timor Leste, Xanana Gusmão, disse em julho à Reuters que estava satisfeito com o relatório e que chegara a hora de ir adiante.

A Indonésia invadiu Timor Leste em 1975, quando o território estava se tornando independente de Portugal. A ocupação durou até 1999, quando um plebiscito finalmente concedeu a independência ao país -- para em seguida haver o massacre atribuído aos seguidores de Jacarta. A ONU então administrou o país diretamente até 2002.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG