ONU pede a partes em conflito que evitem ações perigosas a civis

Nações Unidas, 22 fev (EFE).- As Nações Unidas pediram hoje a todas as partes em conflito no Afeganistão que façam o máximo possível para evitar baixas entre a população civil, após uma ofensiva aérea de ontem da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na qual morreram pelo menos 27 civis.

EFE |

O representante especial adjunto da ONU para o Afeganistão, Robert Watkins, falou hoje sobre o ocorrido ontem na província de Uruzgan (sul), no qual morreram 27 pessoas, em sua maioria mulheres e crianças.

Watkins expressou, mediante um comunicado de imprensa divulgado pela ONU, sua "profunda tristeza" pelas perdas de vidas humanas.

"Aprecio as declarações da Força Internacional de Assistência à Segurança no Afeganistão (Isaf) tenha tomado medidas suplementares de precaução para proteger as vidas civis", disse o representante adjunto da ONU para esse país.

Watkins, que é também o coordenador da ONU para a assistência humanitária no Afeganistão, também se referiu ao "rápido reconhecimento de sua responsabilidade e às desculpas da Isaf" sobre os fatos de ontem em Uruzgan.

"No entanto, as medidas que destacam as direções táticas e linhas gerais sobre o uso da força por parte da Isaf devem ser postas em prática o tempo todo e sob todas as circunstâncias", enfatizou.

Ele ressaltou também que a confiança nas "intenções das forças internacionais de paz" que operam no Afeganistão "poderia ser muito afetada se não forem tomada mais medidas para proteger as vidas dos civis afegãos".

Watkins ressaltou que a missão de assistência da ONU para o Afeganistão (Unama) "pediu a todas as partes no conflito que façam o máximo possível para evitar baixas civis". EFE emm/sa

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG