La Paz, 11 nov (EFE).- O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) propôs hoje ao Governo da Bolívia que implemente um novo modelo econômico baseado em usos alternativos dos recursos naturais e não em sua depredação.

A representante do Pnud na Bolívia, Yoriko Yasukawa, em coletiva de imprensa feita por ocasião da apresentação de um relatório sobre a proposta, assinalou que o documento propõe superar o atual modelo boliviano de "crescimento empobrecedor".

Yasukawa apontou que o Pnud pretende fazer "uma contribuição construtiva para que todos os bolivianos vivam bem e em harmonia com a natureza", através de um modelo de "proteção dos recursos naturais combinado com a geração de emprego decente".

Segundo uma nota divulgada no ato, o atual modelo boliviano se baseia na "depredação" dos recursos naturais que só provoca aumento da pobreza, apesar do crescimento econômico.

O Pnud propõe "aproveitar a diversidade dos recursos naturais existentes na Bolívia de maneira sustentável, o que permitirá uma nova identidade de sua economia destinada a oferecer maiores empregos e melhores condições de vida".

"O Estado e as instituições privadas e de cooperação enfrentam o desafio de transformar o padrão depredador e extrativista em outro progressista de sustentabilidade ambiental e laboral", apontou o Pnud.

O estudo, intitulado "A outra fronteira", mostra "passos rumo a uma economia alternativa, baseada em serviços ambientais, ecoturismo, desenvolvimento florestal, biocomércio e agricultura orgânica que geram emprego conservando o meio ambiente e melhorando os padrões trabalhistas".

Segundo o Pnud, "o contexto internacional criou já as condições para dar esse salto qualitativo com situações como a mudança climática e a crise alimentícia".

O relatório foi elaborado por uma equipe de pesquisadores do Pnud em colaboração com a embaixada dos Países Baixos em La Paz, a Agência Suíça para o Desenvolvimento e Cooperação (Cosude) e a Conservação Internacional Bolívia. EFE az/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.