ONU pede a Assad que interrompa 'banho de sangue' na Síria

Segundo a entidade, mais de 5 mil pessoas morreram no país; onda de violência se aproxima de Damasco

BBC Brasil |

selo

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, pediu neste domingo que o presidente Bashar al Assad interrompa, "imediatamente, o banho de sangue" na Síria.

"O presidente Assad, como líder da Síria, tem a mais importante responsabilidade de resolver essa situação, se engajando em um diálogo político. Em primeiro lugar, e sobretudo, ele deve parar, imediatamente, o banho de sangue", disse.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), 66 pessoas morreram neste domingo, sendo 29 civis . A onda de violência está mais próxima de Damasco, capital do país.  Mais de 5 mil pessoas já morreram na repressão, segundo a ONU.

Ban fez as declarações em Adis Adeba, na Etiópia, onde participou da inauguração da sede da União Africana. As declarações ocorrem um dia após a Liga Árabe anunciar a suspensão de sua missão de observadores no país, por causa da escalada da violência.

Segundo Ban, Assad deveria tomar uma "ação decisiva para o fim da violência" antes mesmo da missão chegar ao país, em dezembro do ano passado. O secretário-geral da Liga, o general Nabil el-Arabi, justificou a decisão dizendo que "a deterioração crítica da situação na Síria e o contínuo uso da violência" determinaram o fim imediato da missão.

A missão da Liga Árabe chegou à Síria em dezembro e levou à elaboração de um plano de ação, que pede a renúncia do presidente Bashar al-Assad e a formação de um governo de unidade nacional com participação da atual oposição.

Reuters
Antes da entrada dos tanques, crianças protestavam contra Assad em Zabadani, Síria

Violência

Ativistas contrários a Assad afirmam que tanques estão disparando contra áreas controladas por rebeldes no leste e no norte do país neste domingo. De acordo com os opositores, dois mil soldados e 50 tanques atacaram na manhã de domingo subúrbios ao leste da capital, Damasco, a cinco quilômetros do centro da cidade.

Os rebeldes do movimento intitulado Exército de Libertação da Síria tomaram alguns dos subúrbios ao redor de Damasco, como Kfar Batna, Saqba, Jisreen e Arbeen. A ação das tropas do governo neste domingo seria uma resposta aos rebeldes.

Rami Abdul Rahman, diretor da entidade Observatório Sírio para os Direitos Humanos, baseada em Londres, afirma que os combates deste domingo são os mais intensos registrados próximo à capital desde o começo do movimento de insurgência, no ano passado. Há dificuldades para a imprensa internacional de verificar os relatos dos manifestantes, já que o acesso ao país está restrito.

ONU e protesto em SP

O Conselho de Segurança da ONU se articula para discutir, nesta semana, uma resolução contrária ao regime de Assad. A proposta foi discutida no Conselho na sexta-feira, mas diplomatas russos manifestaram que não pretendem aprovar o texto.

A Rússia tem poder de veto no Conselho de Segurança. O governo da Síria também criticou a proposta da ONU, afirmando que o plano serviria para provocar uma intervenção militar internacional no país. Com o objeto de pressionar as autoridades russas, sírios e descendentes atenderam aos apelos da oposição síria e protestaram em frente a missões diplomáticas de Moscou em várias cidades do mundo.

Em São Paulo, dezenas de manifestantes foram até o Consulado da Rússia, segundo o líder dos protestos, Ehad al Tairi.

    Leia tudo sobre: síriamundo árabeONU

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG