ONU leva funcionários feridos no Haiti a Guadalupe, R. Dominicana e EUA

Nações Unidas, 13 jan (EFE).- A ONU começou a levar seus funcionários com ferimentos sofridos durante o terremoto no Haiti para hospitais de Guadalupe, República Dominicana e Estados Unidos, informou Martin Nesirky, porta-voz do organismo.

EFE |

Além disso, as Nações Unidas instalaram um hospital de campanha no aeroporto de Porto Príncipe, capital haitiana, onde outros funcionários lesionados estão sendo atendidos.

No entanto, até agora a organização não divulgou até agora nenhum balanço de feridos. "Não quero dar nenhuma informação imprecisa", afirmou John Holmes, secretário-geral da ONU para Assuntos Humanitários.

Nesirky recebeu da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah) informações de que "os danos são muito amplos" em Porto Príncipe.

"Podemos ter milhares de casas destruídas pelo terremoto. Há escassez de água potável e cortes no fornecimento de energia elétrica", comentou.

O porta-voz da ONU também comentou que entre os desaparecidos pode estar a haitiana Michele Montantes, sua antecessora no cargo.

Seu paradeiro é desconhecido.

O poderoso terremoto aconteceu às 19h53 (Brasília) de terça-feira e teve epicentro a 15 quilômetros de Porto Príncipe, a capital do Haiti. O primeiro-ministro do país, Jean Max Bellerive, cifrou hoje em "centenas de milhares" o número de mortos.

O Exército brasileiro confirmou que pelo menos 11 militares do país que participam da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah) morreram em consequência do terremoto.

A brasileira Zilda Arns, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, ligada à Igreja Católica, também morreu no tremor. EFE.

emm/dp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG