ONU: Iraque está progredindo, mas ainda tem grandes desafios

Nações Unidas, 28 abr (EFE) - A ONU destacou hoje os progressos feitos no Iraque para sua reconstrução nacional, mas também indicou que ainda há grandes desafios pela frente, como acabar com a violência, e lembrou que o país precisa da ajuda da comunidade internacional. O Iraque está fazendo uma dolorosa transição, disse hoje o subsecretário-geral da ONU para Assuntos Políticos, Lynn Pascoe, em seu relatório sobre o país enviado ao Conselho de Segurança do organismo multilateral. Entre esses desafios, Pascoe citou os relativos à reconciliação nacional, à reconstrução do país e a seu desenvolvimento, o que qualificou como um desafio a longo prazo que requer o apoio sustentado da comunidade internacional. Apesar das melhoras em segurança, o Governo do Iraque ainda tem que enfrentar grandes desafios no processo de reconciliação nacional, disse Pascoe, que destacou a seriedade e o compromisso das autoridades iraquianas para levar o processo em frente. O responsável da ONU considerou que a liderança iraquiana tem que resolver outras questões, como as relativas aos recursos naturais e aos acordos para dar uma estrutura federal ao estado, assuntos que causam divisão entre os iraquianos. Ele disse que esses objetivos poderiam ser alcançados mediante a adoção de uma lei justa e equilibrada sobre os hidrocarbonetos e completando uma série de reformas constitucionais, no que a ONU pode contribuir proporcionando ajuda e assessoria técnica. Pascoe d...

EFE |

Bayati considerou a próxima conferência de Estocolmo "um fórum importante no qual revisar os progressos econômicos e políticos" feitos por seu país, assim como sobre as perspectivas de assistência futura.

Por sua parte, o embaixador dos Estados Unidos perante a ONU, Zalmay Khalilzad, apresentou um relatório sobre a situação de segurança pelas forças multinacionais, e apontou progressos realizados pelo Iraque principalmente no último trimestre de 2007.

Apesar disso, ele também reconheceu que esses avanços tinham sido "desiguais".

A representante britânica, Karen Pierce, considerou que as ações do Governo iraquiano em "Basra, Cidade de Sadr e Mossul realizadas no último mês enviam um sinal claro de que sua intenção é fazer cumprir a lei e acabar com os grupos armados terroristas, criminosos e ilegais, quaisquer que seja sua afiliação étnica ou religiosa".

EFE emm/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG