impossível - Mundo - iG" /

ONU diz que eleição livre no Zimbábue é impossível

O Conselho de Segurança da ONU condenou por unanimidade a violência e a intimidação contra o principal partido de oposição do Zimbábue, o Movimento para a Mudança Democrática (MDC, na sigla em inglês). Em uma declaração divulgada nesta segunda-feira, o Conselho de Segurança disse que a violência torna impossível uma votação livre e justa no segundo turno da eleição presidencial no país africano, marcado para o dia 27.

BBC Brasil |

"O Conselho de Segurança da ONU condena a campanha de violência contra a oposição política", diz o documento.

A reunião do Conselho de Segurança ocorreu depois que o líder da oposição e candidato à Presidência pelo MDC, Morgan Tsvangirai, retirou sua candidatura no segundo turno e buscou refúgio na embaixada da Holanda em Harare, capital do Zimbábue.

EFE
Eleitores pró Mugabe vão às ruas
 Tsvangirai anunciou a sua retirada da disputa no domingo, dizendo que não há sentido em concorrer em eleições que não serão livres e justas e que "o resultado já está determinado" pelo seu adversário, o presidente Robert Mugabe.

Segundo o MDC, a decisão de Tsvangirai foi tomada depois de pelo menos 70 simpatizantes do partido terem sido mortos durante a campanha.

Nesta segunda-feira, 60 partidários do MDC foram presos no comitê central do partido, em Harare.

Antes da reunião do Conselho de Segurança, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, já havia dito que o segundo turno da eleição deveria ser adiado.

"Não há condições para eleições livres e justas neste momento no Zimbábue. Houve muita violência, muita intimidação", disse Ban.

No entanto, o embaixador do Zimbábue na ONU, Boniface Chidyausiku, afirmou que o segundo turno será realizado conforme planejado.

Críticas

Segundo o documento do Conselho de Segurança, a campanha de violência no Zimbábue "resultou na morte de vários ativistas de oposição e outros zimbabuanos", além de fazer com que "milhares de pessoas, incluindo mulheres e crianças" tivessem de abandonar suas casas.

Reuters
Opositor de Mugabe participa de comício
 Em seu comunicado, o Conselho de Segurança pediu que o governo do Zimbábue pare com a intimidação e liberte os líderes de oposição que foram presos.

Esta é a primeira vez que África do Sul, Rússia e China, que fazem parte do Conselho de Segurança, integrado por 15 países, criticam o governo de Robert Mugabe.

A situação no Zimbábue vem provocando a reação de diversos países.

O presidente Mugabe rejeita as críticas. Ele acusa a Grã-Bretanha e seus aliados de mentir sobre o Zimbábue para justificar uma intevernção no país.

Ao anunciar sua retirada da disputa presidencial, Tsvangirai pediu que a comunidade internacional intervenha no Zimbábue para "prevenir um genocídio".

Tsvangirai foi o mais votado no primeiro turno das eleições, com cerca de 48%, enquanto Mugabe obteve cerca de 43%. O número de votos, porém, não foi suficiente para que ele vencesse no primeiro turno.

Leia mais sobre: Zimbábue 

    Leia tudo sobre: zimbábue

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG