NOVA YORK (Reuters) - A Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou nesta quarta-feira que ao menos 16 pessoas de sua missão de paz no Haiti morreram devido ao desabamento de sua sede e de outros prédios pelo forte terremoto e previu que o número de vítimas poderá crescer consideravelmente. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que 11 brasileiros, três jordanianos, um argentino e um chadiano morreram no terremoto de terça-feira. A alta representante da missão de paz, Susana Malcorra, informou que 56 pessoas teriam ficado feridas.

O chefe da missão da organização, Alain Le Roy, disse que o número final de mortes no prédio da ONU será certamente muito maior, já que agentes de resgate vasculhavam os escombros do edifício de cinco andares e de outras instalações vizinhas.

"O número de feridos e mortes será muito alto", afirmou a repórteres.

Le Roy e Malcorra disseram que cerca de 150 funcionários da ONU ainda estavam desaparecidos, entre eles o chefe da missão, Hedi Annabi, e o representante especial adjunto, o brasileiro Luiz Carlos da Costa.

Mais cedo, o presidente do Haiti, René Préval, chegou a anunciar que Annabi estava morto, mas a ONU disse não poder confirmar a informação.

(Reportagem de Louis Charbonneau e Patrick Worsnip)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.