Roma, 21 jul (EFE).- Uma nova base de dados sobre o solo permitiu à Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) a elaboração de um mapa mundial que identifica as áreas em que a terra tem maior capacidade de fixar carbono, segundo um comunicado divulgado hoje pelo organismo.

A FAO assinalou que os cientistas têm um interesse crescente "em encontrar formas para aumentar a retenção do carbono no solo", que pode se transformar "em um sumidouro de gases do efeito estufa", sobretudo em zonas pouco habitadas e degradadas.

Para a identificação destas áreas com maior potencial para absorver carbono, contribuirá a nova ferramenta desenvolvida pela FAO e pelo Instituto Internacional para a Análise de Sistemas Aplicados (IIASA), que uniram suas recentes atualizações e configuraram o Mapa dos Solos do Mundo FAO-Unesco.

A Base de Dados Mundial Harmonizada sobre o Solo (HWSD) elaborada a partir a partir desses dados servirá para aumentar a informação sobre a produtividade da terra, identificar os problemas e os recursos hídricos, e a avaliar o perigo da degradação.

"As propriedades químicas e físicas do solo ajudam a determinar a informação específica sobre o comportamento de um terreno como filtro de águas residuais, lugar para abrigar organismos, sumidouros de carbono ou local para construir", assegurou Alexander Müller, subdiretor-general da FAO.

"Quanto mais soubermos sobre as propriedades do solo, melhor poderemos avaliar a qualidade de nossos recursos naturais", afirmou Müller, responsável do Departamento de Ordenação de Recursos Naturais e Meio Ambiente. EFE ddt/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.