incerto o futuro do processo de paz no Sudão - Mundo - iG" /

ONU considera incerto o futuro do processo de paz no Sudão

Nações Unidas, 18 ago (EFE) - O enviado da ONU para o Sudão, Ashraf Qadi, advertiu hoje de que é incerto o futuro dos acordos de paz que colocaram fim, em 2005, ao conflito entre o Governo e os rebeldes do Movimento Popular para a Libertação do Sudão (MPLS), que controla o sul do país.

EFE |

Qadi assegurou em discurso perante o Conselho de Segurança da ONU que os "alicerces para uma paz duradoura seguem frágeis".

"Três anos depois, o futuro dos acordos de paz permanece incerto, mas não sombrio", destacou.

O enviado especial reconheceu que a implementação do processo de paz está atrasada, apesar do nível de cooperação entre as partes "mostrar sinais de melhora" depois do confronto armado de maio na rica cidade petrolífera de Ebey, que teriam matado 89 pessoas, entre elas pelo menos 18 civis.

Ele defendeu a atuação, nesses combates, dos soldados da missão de paz da ONU no Sudão (Unmis), os quais foram acusados de não socorrerem a população civil que fugia dos ataques.

"A impressão de que a Unmis não fez nada enquanto Ebey era saqueada e arrasada pelas chamas é equivocada", afirmou.

Em sua opinião, "não havia forma alguma" de o contingente da ONU se interpor entre dois exércitos com armas pesadas, sem contar com um mandato que lhes permita usar a força para proteger a propriedade privada.

Qadi também mencionou suas conversas com o Governo de Cartum sobre a recente decisão da Promotoria do Tribunal Penal Internacional (TPI) de solicitar a detenção do presidente sudanês, Omar al-Bashir, por genocídio e crimes de guerra no conflito de Darfur.

O enviado da ONU afirmou que o Governo sudanês informou que a aprovação da solicitação por parte do tribunal internacional traria "graves conseqüências" para o pessoal e as instalações das Nações Unidas em solo sudanês.

Ele reiterou que o processo de paz entre o norte e o sul do Sudão é "indivisível" dos esforços para encontrar uma solução política ao conflito de Darfur, que se desenvolve no oeste do país.

A guerra entre o norte e o sul começou em 1983, quando o regime de Cartum impôs a lei islâmica em todo o país, e os rebeldes sulinos, de maioria cristã e animista, pegaram em armas.

A guerra finalizou em 9 de janeiro de 2005, quando o Governo sudanês e os rebeldes assinaram um acordo de paz, que pôs fim a 21 anos de uma guerra que causou a morte de dois milhões de pessoas.

EFE jju/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG