ONU: Conflitos na Geórgia deixaram 100 mil refugiados

Os conflitos entre a Rússia e a Geórgia já fizeram 100 mil refugiados, segundo estimativas da ONU divulgadas nesta terça-feira. De acordo com a Acnur, agência de refugiados da ONU, cerca de 30 mil teriam cruzado a fronteira com a Rússia, onde estão sendo registrados em abrigos temporários.

BBC Brasil |

Ainda segundo a agência, 12 mil pessoas estariam deslocados dentro da Ossétia do Sul e 56 mil teriam fugido das áreas de conflito para outras regiões da Geórgia.

O representante da Acnur Peter Nicolaus disse à BBC que Gori, localizada no centro da Geórgia e a cerca de 70 quilômetros da capital, Tbilisi, parece uma "cidade fantasma".

Ajuda
A Cruz Vermelha afirmou que civis estariam tentando deixar a região separatista de Abecásia por causa dos conflitos.

A Geórgia já abriga aproxidamente 300 mil pessoas que foram deslocadas em conflitos anteriores.

Segundo a ONU, a agência enviou um avião carregado de mantimentos para a capital, Tbilisi - o primeiro avião de carga enviado ao país desde o início dos conflitos.

Um segundo avião será enviado na quarta-feira e mais ajuda humanitária deve vir da França e da Cruz Vermelha.

A ONU também ofereceu ajuda humanitária à Rússia.

Imprensa
Os cinco dias de disputa entre a Rússia e a Geórgia foram difíceis para os jornalistas que cobriam o conflito. Pelo menos três deles morreram e vários ficaram feridos.

De acordo com o repórter da BBC especializado em mídia, Sebastian Usher, os perigos contribuíram para as dificuldades em cobrir o conflito - a Rússia dificultou aos jornalistas estrangeiros a cobertura dos eventos na Ossétia do Sul.

Tanto a Rússia quanto a Geórgia se esforçaram em tentar relatar o seu lado sobre os eventos para o público nacional e para o restante do mundo. A Geórgia tentou bloquear a transmissão da televisão russa no país e ambos realizaram ataques virtuais nos websites do outro país.

Usher relata que a Rússia acusou mais uma vez canais internacionais como a BBC e a CNN de adotarem uma postura pró-Geórgia na cobertura, enquanto os georgianos certamente fizeram uma melhor campanha de relações públicas.

No entanto, a abertura do presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili, com a mídia pode ter sido contraprodutiva, já que aparentava estar cada vez mais desgastado durante as entrevistas, ressalta Usher.

O presidente russo Dmitri Medvedev também foi criticado por alguns veículos de mídia independente da Rússia, que questionou a razão pela qual o presidente não demonstrou mais autoridade e decisão em suas aparições.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG