ONU conclama Mianmar a deixar entrar no país equipes de resgate

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, conclamou as autoridades birmanesas a facilitarem a chegada ao país das equipes de socorro e a entrada de remessas de emergência depois da passagem do ciclone Nargis, declarou seu serviço de imprensa em comunicado divulgado há pouco. Segundo números fornecidos pelas autoridades birmanesas, o ciclone que atravessou o sul do país no fim de semana matou 22.500 pessoas e deixou outras 41.054 desaparecidas.

Redação com agências internacionais |

AFP

As vítimas do ciclone Nargis precisam de forma urgente de ajuda internacional, afirmou nesta quarta-feira o partido da líder opositora birmanesa Aung San Suu Kyi, em um novo ataque contra a junta militar no poder desde 1962.

"As vítimas do ciclone precisam de assistência de agências internacionais, incluindo a ONU, de forma urgente", afirma a Liga Nacional pela Democracia (LND) em um comunicado.

Segundo dados oficiais provisórios, o ciclone Nargis deixou 22.000 mortos e 41.000 desaparecidos em Mianmar.

A junta militar birmanesa aceitou a ajuda internacional, mas para entrar no país os estrangeiros precisam negociar caso a caso.

Médicos Sem Fronteiras

Os Médicos Sem Fronteiras devem começar a distribuir amanhã mosquiteiros com inseticida nesta região, onde doenças como a malária e a dengue são freqüentes.

Reuters
erqwrwrqw
Fotos de satélite da Nasa mostram a aproximação do ciclone "Nargis"


A ONG afirma, a partir de testemunhos de suas equipes, que tanto as áreas rurais como as urbanas foram atingidas pela força do ciclone, mas acrescenta que nas primeiras os sobreviventes contam com reservas de alimentos e usam bambu para reconstruírem suas casas.

Nas cidades, afirmam, as pessoas dependem da assistência de fora, porque há escassez de alimentos e o preço do arroz triplicou.

Souheil Reiche, diretor da MSF Suíça em Yangun, afirmou que com os pequenos recursos humanos e materiais que dispõem não podem "responder adequadamente às necessidades da população" e disse que "é essencial que o Governo birmanês conceda vistos de emergência para as equipes que estão à espera".

Clique na imagem e veja o infográfico sobre a formação dos ciclones

Milhares de árvores foram derrubadas pelos fortes ventos, que atingiram uma velocidade superior a 190 km/h, e atrapalham a passagem nas ruas.

As comunicações, em particular com o exterior, funcionam precariamente e a rede de internet permanece cortada desde sexta-feira passada.

Segundo um funcionário local, o aeroporto de Yangun reabriu na segunda-feira com um gerador "que só estará em funcionamento por cinco ou seis horas".

A Cruz Vermelha começou a distribuir ajudas básicas entre os milhares de desabrigados, como plásticos para cobrir os telhados arrancados pelo ciclone, ou pastilhas para tornar a água potável, além de cobertores e roupa.

Mianmar está localizada no sudeste asiático
Leia também:
  • Plebiscito é adiado nas áreas atingidas
  • Governo birmanês declara estado de emergência
  • ONU, UE e Estados Unidos oferecem ajuda aos birmaneses
  • Saiba mais sobre: ciclones - Mianmar

      Leia tudo sobre: mianmar

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG