ONU anuncia redução drástica de ajuda alimentar à Somália

Segundo a ONU, uma em cada quatro crianças no sul do país sofre de desnutrição severa

BBC Brasil |

selo

Uma queda nas doações forçou o Programa Mundial de Alimentos da ONU (WFP, na sigla em inglês) a reduzir o fornecimento de comida à Somália, afirmou a organização. Uma seca que começou no fim do ano passado deixou os somalis sob racionamento de comida. O país vem sendo devastado por duas décadas de violência.

Uma em cada quatro crianças no sul do país sofre de desnutrição severa. "Começamos a cortar as porções em fevereiro, para tentardistribuir melhor o que tínhamos vindo de comida através do sistema", disse o porta-voz da WFP Peter Smerdon, em Nairóbi, no Quênia.

"Agora, em maio, a situação ficou extremamente séria. Temos apenas 30% da comida que precisamos para alimentar um milhão de pessoas".

Ele afirmou que a organização foi forçada a reduzir tanto o número de pessoas que alimenta quanto a porção de alimentos que dá a cada pessoa.

"Na verdade estamos alimentando 66% dos um milhão de pessoas que deveríamos estar alimentando, e a quantidade de comida entregue é de apenas 33% do que deveríamos estar entregando", afirmou.

Somalis costumam cruzar a fronteira com a vizinha Etiópia em busca de comida. Mas um ataque a um comboio no começo do mês forçou a WFP a cancelar a distribuição de ajuda. Até que a situação de segurança melhore na Etiópia, as missões tiveram que ser canceladas.

AP
ONU reduziu tanto o número de pessoas que alimenta quanto a porção de alimentos que dá a cada pessoa

    Leia tudo sobre: internacional

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG