ONU amplia por seis meses missão nas Colinas do Golã

Nações Unidas, 27 jun (EFE) - O Conselho de Segurança da ONU ampliou hoje por seis meses o mandato da missão de observadores das Nações Unidas nas Colinas do Golã (UNDOF), que supervisiona há três décadas o fim das hostilidades entre Israel e Síria.

EFE |

Os 15 integrantes do principal órgão da ONU adotaram por unanimidade a resolução com a renovação do mandato dos observadores até 31 de dezembro de 2008.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, recomendou a extensão do mandato no último relatório sobre a situação da missão da ONU na fronteira entre israelenses e sírios.

No documento, Ban destacou que o setor fiscalizado pelos soldados da organização permanece calmo, mas advertiu de que o propósito da missão continua sendo "essencial".

"A situação no Oriente Médio é tensa e assim com probabilidade seguirá até que não se alcance uma solução integral que cubra todos os aspectos do problema do Oriente Médio", avaliou Ban no relatório.

O Conselho de Segurança aprovou em maio de 1974 a criação da UNDOF para vigiar o fim das hostilidades entre as forças armadas sírias e israelenses, que, em 1973, se enfrentaram nessa zona durante a guerra do Yom Kippur.

Damasco tentou, sem sucesso, nesse conflito recuperar o controle das Colinas do Golã, o qual tinha perdido em 1967 na Guerra dos Seis Dias.

Síria e Israel se encontram em estado de "não beligerâncias" desde 1974, embora, desde então, tenham se enfrentado em solo libanês e aviões israelenses tenham bombardeado em várias ocasiões território sírio.

Damasco se nega a assinar um acordo de paz com o país vizinho que não inclua a devolução do território, ao que, por enquanto, se opõe a opinião pública israelense e os 18 mil colonos que vivem nessa zona ocupada. EFE jju/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG