Ônibus lotado cai em precipício na Colômbia e mata pelo menos 20

(atualiza número de vítimas e detalhes do acidente). Bogotá, 3 fev (EFE).- Pelo menos 20 pessoas morreram hoje depois que um deslizamento de terra fez um ônibus cair em um precipício de 200 metros em uma estrada do nordeste da Colômbia, informaram fontes oficiais.

EFE |

O diretor da Polícia Rodoviária, general Luis Alberto Moore, disse à imprensa "que possivelmente mais de 20 pessoas teriam morrido" no acidente.

No entanto, meios de comunicação davam conta de que pelo menos 25 pessoas perderam a vida na tragédia.

Pablo Porta, oficial do Departamento Administrativo do Sistema de Prevenção, Atendimento e Resgate de Desastres (Dapard) de Antioquia, disse à Agência Efe que "quatro pessoas feridas no acidente já chegaram" a Medellín. Porém, esclareceu que ainda não há números oficiais sobre os mortos e feridos.

O acidente aconteceu quando um ônibus público filiado à empresa Rápido Ochoa caiu num abismo perto da cidade de Carmen de Atrato, na estrada que liga Medellín, capital do departamento de Antioquia, a Quibdó, capital do departamento (estado) de Chocó.

O ônibus partiu de Medellín na noite de segunda-feira, com destino a Quibdó. Aparentemente, 34 viajavam no coletivo. Mas, extra-oficialmente, diz-se que o número era maior, pois durante a viagem o motorista pegou mais passageiros.

Em Medellín, a empresa à qual pertence o ônibus acidentado entregou uma lista com os nomes de 32 viajantes, do motorista e de um auxiliar.

Em um primeiro momento, o prefeito do município de Carmen de Atrato, Rafael Montoya, disse à "Rádio Caracol" que havia três sobreviventes, os quais disseram que o ônibus estava lotado e que a maioria dos passageiros morreu no acidente.

"Não temos conhecimento pleno, porque até agora o que temos são três sobreviventes, entre elas um menor, e dois mortos", disse o prefeito.

Montoya confirmou que houve um deslizamento na estrada e que as autoridades já investigam se a terra que se soltou arrastou o ônibus ou se o acidente teve outra causa. EFE ocm/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG