Washington, 12 mai (EFE).- O grupo Human Rights Watch (HRW) pediu hoje ao Governo dos Estados Unidos que não reative os tribunais militares para processar os detentos da base naval de Guantánamo, em Cuba, porque isso causaria litígios, adiamentos e julgamentos fracassados.

A organização defensora dos direitos humanos assegurou em comunicado que os supostos terroristas detidos em Guantánamo receberiam um julgamento justo e expedito, se os casos fossem transferidos aos tribunais federais nos Estados Unidos.

A HRW fez o pedido depois que fontes anônimas do Governo disseram recentemente ao jornal "The Washington Post" que a Administração de Barack Obama pensa em restabelecer os tribunais militares, embora com novos regulamentos que concederiam aos suspeitos de terrorismo maiores proteções legais.

"A Administração Obama não deve tentar regular um sistema que fundamentalmente está fracassado. O reatamento das comissões militares reduziria grande parte do significado do fechamento de Guantánamo", disse Stacy Sullivan, assessora em assuntos antiterroristas da HRW.

O prazo para a suspensão dos tribunais militares vence em 20 de maio, e o juiz a cargo das comissões programou uma audiência para 27 de maio.

A organização enumerou alguns dos problemas observados nos tribunais militares, como a falta de acesso por parte da defesa a provas fundamentais que pudessem ajudar ou inclusive inocentar seus clientes. EFE mp/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.