ONG pede a Governos que ajudem crianças haitianas na República Dominicana

Santiago (R.Dominicana) 2 fev (EFE).

EFE |

- A Comissão Dominicana dos Direitos Humanos, através de seus representantes na zona norte do país, pediu à Direção de Migração para coordenar com as autoridades do Haiti a repatriação de dezenas de crianças de origem haitiana que passam as noites em ruas da região, para que possam reencontrar seus pais.

O presidente da Comissão, Dionisio Jérez, disse à imprensa que há relatórios que revelam que muitas dessas crianças, levadas ao país antes e depois do terremoto, ainda têm pais vivos. Ele afirma que os menores foram vítimas de redes que operam no Haiti em aliança com criminosos dominicanos.

Jérez alertou que o país pode ser sancionado por organismos internacionais por permitir que crianças vítimas do tráfico de pessoas que ainda tenham pais vivos permaneçam em seu território.

Nesta terça-feira, uma haitiana que se identificou como Cariné Oguí Piei recuperou seu filho, que pedia esmolas nas ruas de Santiago (norte dominicano). O menino disse que foi sequestrado por um homem e uma mulher que estavam em um veículo 4x4, quando retornava de uma escola em Cap-Haïtien (norte do Haiti).

A mulher disse que uma amiga que vive em Santiago há três anos reconheceu o menino quando mendigava nas ruas da cidade. Após ter sido avisada, a mãe viajou ao país vizinho. Ela garante que muitas crianças que estão nas ruas de Santiago têm seus pais vivos em Cap-Haïtien e outras cidades do norte do Haiti.

No entanto, Cariné afirmou que embora haja algumas vítimas de roubo, também há pais que, por conta da pobreza extrema em que vivem, decidem entregá-los às redes que operam em seu país "em troca de alguns dólares".

A promotora do Tribunal de Crianças e Adolescentes de Santiago, Antia Beato, disse hoje à imprensa que a situação das crianças que perambulam pelas ruas da cidade é "grave e deprimente". EFE as/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG