ONG confirma fuga de índios não contatados do Peru ao Brasil

Lima, 2 jul (EFE).- A ONG Survival International confirmou hoje a fuga de indígenas não contatados do Peru ao Brasil como conseqüência do desmatamento de seu território natural na Amazônia, segundo um comunicado de imprensa divulgado hoje em Lima.

EFE |

A Survival aponta no documento que o coordenador da Frente de Proteção Etnoambiental do Rio Envira, José Carlos dos Reis Meirelles Júnior, assegura que pelo menos uma tribo indígena peruana fugiu para o Brasil nos últimos anos.

O especialista acrescentou que esta situação é originada pela poda ilegal, após denunciar a presença de tabuões de mogno e cedro, assim como de barris de combustível e óleo comestível com marcas peruanas que foram encontrados flutuando pelo rio Envira, perto da fronteira do Brasil com o Peru.

O comunicado foi divulgado após a polêmica gerada com a publicação, em 29 de maio, de fotografias, tiradas em território brasileiro, nas quais indígenas apontavam suas setas ao helicóptero que os observava e que, em um primeiro momento, foram identificados como não contatados que teriam fugido de território peruano.

No entanto, o Instituto Nacional de Recursos Naturais (Inrena) do Peru afirmou em 13 de junho que eram indígenas assentados há anos na fronteira do Brasil.

Sobre isso, Meirelles esclareceu que os fotógrafos confundiram estes indígenas com os que fogem do Peru, após ressaltar que só existem imagens das ocas daqueles que foram do país andino no lado brasileiro.

O Comitê Indígena Internacional para a Proteção dos Povos Indígenas em Isolamento Voluntário da Amazônia, do Grande Chaco e Região Oriental do Paraguai (Cipiaci) concordou com a Survival, publicou hoje o jornal "Peru.21", de Lima.

Um grupo de técnicos do Cipiaci visitou entre 8 e 20 de junho a reserva indígena de Murunahua, no departamento peruano de Ucayali, fronteira com o Brasil, e encontraram no local madeireiros ilegais, de acordo com o periódico.

O coordenador geral do Cipiaci, Antonio Iviche, afirmou ao jornal peruano que a situação fez com que habitantes da etnia Pano tenham se deslocado quatro ou cinco quilômetros dentro de território brasileiro, em busca de um lugar seguro.

Por sua vez, a antropóloga peruana Beatriz Huerta, que investiga a situação dos povos indígenas não contatados desde 1994, assegurou ao "Peru.21" que os madeireiros causam graves violações aos direitos humanos destas sociedades isoladas, já que os perseguem, os matam, incendeiam as ocas e fazem com que fujam de suas terras ancestrais.

Refugiados em casas construídas com palmeiras, estas tribos são altamente vulneráveis ao mundo exterior, sobretudo pela exposição às doenças, embora as maiores ameaças sejam constituídas pelas empresas petrolíferas e mineradoras, assim como a poda ilegal das florestas.

EFE fcg/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG