Onda de frio sem precedentes continua criando complicações na Europa

A onda de frio siberiano que atinge a Europa provocou nesta sexta-feira novas complicações nos transportes e cortes no fornecimento de energia em vários países, como o Reino Unido e a França, cuja conexão através do Eurostar, cujos 50% dos serviços foram interrompidos.

AFP |

O Reino Unido registrou a noite mais fria deste inverno, com temperaturas de até 22 graus abaixo de zero, aumentando os temores de problemas no fornecimento energético e perturbações nos transportes.

Os termômetros no país, que vive a pior onda de frio em 30 anos, marcaram um recorde de -22,3 graus na pequena localidade de Altnaharra (norte da Escócia); na região de Manchester (noroeste da Inglaterra) chegava a -17 graus e nas montanhas galesas de Brecon Beacons -16.

"As temperaturas custarão a subir acima do zero na maior parte do país durante o dia, com geadas severas durante a noite", declarou Richard Young, da Agência Meteorológica Nacional, precisando que os fortes ventos previstos aumentarão ainda mais a sensação térmica de frio.

Inúmeras escolas permaneciam fechadas em todo o país, algumas pelo quinto dia consecutivo.

O gelo e o frio prosseguiam provocando todo tipo de problemas nos transportes. Apesar de os aeroportos estarem abertos, as companhias British Airways e EasyJet voltaram a cancelar dezenas de voos em Heathrow e Gatwick, os dois mais importantes de Londres, onde eram registrados atrasos.

Na rede ferroviária, foram registrados também importantes atrasos devido a avarias de trens e bloqueios pela neve.

Metade das ligações Paris-Londres pelo Eurostar que cruza o túnel sob o Canal da Mancha foi cancelada.

E nas estradas se multiplicaram os acidentes pela falta de sal para derreter o gelo e a neve.

A ministra do Meio Ambiente, Hilary Benn, indicou à BBC que ante a escasez de sal em algumas regiões, possivelmente será preciso tomar decisões difíceis sobre a estradas para tratar o problema de forma prioritária.

O frio também aumentou os temores sobre o fornecimento de gás, principalmente depois que a operadora da rede energética britânica, a National Grid, pediu que as grandes companhias suspendam o consumo para evitar uma crise.

Na França, a neve voltou a cair e, nas últimas 24 horas, atingiu também o sudeste do país, onde provocou cortes de eletricidade, atrasos nos serviços ferroviários e bloqueios em várias estradas.

"As quantidades de neve que cairão nesta sexta serão importantes e até excepcionais no eixo do Ródano (centro-leste do país), onde serão empurradas por um forte vento", alertou a Meteo France.

Entre 10 e 20 centímetros de neve caíram em Orange e Avignon, algo quase inédito nesta histórica região do sul do país.

O serviço de meteorologia francês indicou que 31 departamentos franceses (dos 96 na área metropolitana), estão em alerta laranja pela neve e o gelo.

Na zona de Arles e Ariege (sul), 20.000 pessoas se encontram sem luz depois que linhas de alta tensão caíram por causa do peso da neve.

Cerca de mil caminhões se encontram bloqueados na zona de Leucate e de Perpignan, a poucos quilômetros da fronteira espanhola.

Nos Alpes caíram entre 15 e 20 cm de neve na zona de Grenoble, leste do país.

Vários voos foram cancelados no aeroporto de Marselha.

Praticamente toda a Espanha peninsular estava igualmente em alerta por um severo temporal, que provocouproblemas nas estradas, principalmente na fronteira franco-espanhola.

Na Polônia, onde as temperaturas negativas subirem nas últimas horas, o frio matou nove pessoas nos últimos dias, o que eleva o balanço desde o início de novembro a 139 mortos, essencialmente moradores de rua.

Na Alemanha, onde também 10 mendigos morreram, as autoridades esperavam até 40 cm de neve em alguns pontos do país.

bur-lrb/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG