Sydney (Austrália), 3 fev (EFE).- O sul da Austrália, que na semana passada sofreu com uma extrema onda de calor que deixou mais de 40 mortos, voltou hoje a enfrentar altas temperaturas, depois do breve alívio de ontem, quando os termômetros ficaram abaixo dos 40 graus pela primeira vez em uma semana.

Adelaide, capital do estado da Austrália do Sul, registrou ontem máxima de 38,8 graus centígrados. Porém, os termômetros subirão acima dos 40 nos próximos dias e começarão a descer apenas sexta-feira.

O uso da eletricidade foi restringido em lojas e supermercados da Austrália do Sul para diminuir a carga sobre a rede elétrica do estado, que na semana passada falhou diante da demanda gerada pela onda de calor.

No estado de Victoria, mais de 100 bombeiros aproveitam a redução das temperaturas, que estão em torno de 29 graus na capital Melbourne, para apagar vários incêndios gerados ontem em partes remotas do leste do estado.

O serviço meteorológico adverte que o termômetro subirá aos 37 graus em Melbourne, no sábado, e os ventos serão extremos, o que pode reativar qualquer incêndio florestal que não tenha sido apagado antes.

Além do calor e da ameaça de incêndios, Melbourne sofre com uma forte seca. A água armazenada no reservatório de Thompson está em seu nível mais baixo desde que foi construído, em 1984.

A situação no sul da Austrália contrasta com a do norte, onde nos últimos dias se recolheram até 420 milímetros de água em algumas localidades, como a de Ingham. Segundo o serviço de meteorologia, as fortes chuvas na região continuarão devido ao ciclone Ellie.

Cerca de 200 casas, ruas e estradas estão inundadas ao sul de Townsville, onde um motorista atropelou ontem um crocodilo, que foi resgatado depois por especialistas, informou a rádio local "ABC".

EFE mg/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.