OMS volta a enviar funcionários estrangeiros para o Iraque

Genebra, 17 jul (EFE).- A Organização Mundial da Saúde (OMS) voltou a se instalar no Iraque com um grupo de especialistas estrangeiros, depois de cinco anos sem representação internacional no país.

EFE |

"Há um mês que estamos de novo de forma permanente no Iraque, unindo esforços com o resto das Nações Unidas para melhorar as condições de vida dos iraquianos. Por enquanto, temos resultados satisfatórios", disse, de Bagdá, a representante da OMS no país, Naeema al-Gaser.

A especialista disse que a OMS está presente no Iraque desde 1960 e que só deixou o país depois do atentado de 2003 contra as instalações da ONU em Bagdá.

No entanto, segundo Gaser, os funcionários locais da organização continuaram "trabalhando todos estes anos com apoio de fora".

Ainda de acordo com a especialista, o objetivo principal da OMS é ajudar os grupos "mais vulneráveis: as mulheres, as crianças e os deslocados internos".

Quantos aos maiores desafios que a entidade enfrenta no Iraque, a Gaser citou o programa de vacinação contra a pólio e o sarampo que desenvolve em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), no qual 10.000 pessoas colaboram.

Além disso, a OMS vai lançar um projeto de distribuição de vacinas contra a hepatite, voltado para crianças com menos de 5 anos.

"Também temos o objetivo de eliminar totalmente a malária antes de 2010", disse a funcionária, segundo quem a OMS e as autoridades iraquianas estão fazendo um rígido controle da água para evitar o cólera, outra doença grave.

Apesar do retorno da entidade, a especialista ressaltou que "a segurança ainda é uma preocupação" no Iraque, embora a situação tenha melhorado consideravelmente no último ano. EFE mh/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG