Genebra, 9 mar (EFE).- A Organização Mundial da Saúde (OMS) apresentou hoje suas novas recomendações para combater a malária, entre as quais se destaca a de submeter todos os casos suspeitos a um teste de diagnóstico rápido, antes da prescrição de um tratamento.

Em grande parte dos países africanos, a febre é o fator determinante para declarar um caso de malária, o que faz com que sejam administrados equivocadamente remédios contra essa doença a pessoas que na realidade não a possuem.

O diretor do Programa sobre Malária da OMS, Robert Newman, explicou que essa situação provoca o aumento da resistência aos tratamentos mais recentes contra a malária, um dos principais problemas no combate desta doença.

Por essa razão, a nova direção da OMS recomenda o uso de um teste que custa US$ 0,50 e que, por sua simplicidade, pode inclusive ser utilizado fora de instalações médicas.

O novo teste passou por projetos piloto para demonstrar que pode ser utilizado em zonas rurais e em comunidades carentes.

Só é preciso uma gota de sangue sobre um tipo de bastão, no qual o resultado aparece marcado em poucos minutos, confirmando ou descartando de maneira segura a presença no sangue dos parasitas responsáveis pela malária.

Segundo os últimos dados disponíveis, somente 22% dos casos suspeitos da doença são submetidos a provas de confirmação em 18 dos 35 países africanos que forneceram informações à OMS.

Newman afirmou que o objetivo da organização é promover um teste de diagnóstico universal. EFE.

is/id

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.