Por Jonathan Lynn e Ben Hirschler GENEBRA/LONDRES (Reuters) - As primeiras vacinas para combater o vírus H1N1, da gripe suína, devem ser aprovadas e estar prontas para aplicação em alguns países a partir de setembro, informou nesta quinta-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Marie-Paule Kieny, especialista em vacinas da OMS, também disse que a produção desse tipo de vacina está melhorando, depois de um começo decepcionante que causou preocupação sobre seu fornecimento.

Uma das cepas do vírus usadas pelos fabricantes agora parece estar possibilitando a mesma quantidade de vacinas das gripes sazonais, apesar de as primeiras indicações terem sido de que a produção para a variante do pandêmico H1N1 poderia ser de apenas 30 por cento da normal.

"Não quero dizer cedo demais que a questão foi resolvida, mas de fato parece que encontramos um meio de contornar esse problema," disse Kieny a jornalistas.

Os primeiros resultados de experiências clínicas são esperados para o começo do mês que vem e esses testes vão mostrar se serão necessárias uma ou duas doses para garantir imunidade --outra grande variável para determinar quantas pessoas podem ser vacinadas.

Tão logo os resultados dos testes iniciais estejam prontos, os reguladores estarão aptos a aprovar as vacinas para aplicação a partir do mês que vem e os primeiros países poderão iniciar programas de vacinação em massa, acrescentou Kieny.

A gripe H1N1, declarada pandemia em 11 de junho, se espalhou pelo mundo e poderá afetar até 2 bilhões de pessoas, segundo estimativas da OMS.

O temor de que a cepa pudesse se tornar resistente ao medicamento antiviral Tamiflu fez com que se buscasse rapidamente a colocação de vacinas no mercado. As vacinas contra a H1N1 serão aplicadas separadamente das doses regulares para as gripes sazonais.

Entre os principais produtores de vacinas do mundo estão Sanofi-Aventis, Novartis, Baxter, CSL, GlaxoSmithKline e Solvay.

A diretora-geral da OMS, Margaret Chan, tem dito que o vírus H1N1 está estabilizado e não há indícios de que se tenha misturado a outros tipos mais perigosos de influenza, tais como a mortífera cepa H5N1, da gripe aviária.

No momento, pacientes com sintomas moderados geralmente não precisam tomar remédios. Chan enfatiza que o encaminhamento a hospitais é desnecessário, a não ser que os infectados tenham alguns sintomas alarmantes, que incluem febre alta em adultos e falta de atividade em crianças. Gestantes e pessoas com problemas de saúde, tais como diabete, também são mais vulneráveis.

A OMS informou que as vacinas tiveram de ser providenciadas rapidamente e em grande quantidade para ter maior impacto. A entidade insiste que a agilização dos procedimentos não vai pôr em risco a segurança.

A agência afirmou que as vacinas chegaram tarde demais nas pandemias de gripe de 1957 e 1968, e nem mesmo foram produzidas em 1918 na pandemia de "gripe espanhola", que matou 50 milhões de pessoas segundo estimativas.

Surgiram preocupações por causa de graves efeitos colaterais constatados durante a vacinação contra a gripe suína nos EUA em 1976, que resultaram na morte de 30 pessoas.

Kieny disse que depois disso a produção de vacinas e os níveis de pureza melhoraram significativamente, mas questões de segurança poderão voltar à tona durante uma pandemia, quando vacinas são administradas em massa, mesmo que não tenham surgido problemas durante os testes.

(Reportagem adicional de Laura MacInnis)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.