Genebra, 18 mai (EFE).- A Organização Mundial da Saúde (OMS) decidiu hoje manter o nível 5 (a escala vai até 6) do alerta pela gripe suína, enquanto reiterou a necessidade de não baixar a guarda porque a possibilidade de uma pandemia ainda existe.

O nível de alerta se encontra na fase 5 há 18 dias, o que significa que foi demonstrado que existe contágio unicamente em uma das regiões da organização de saúde, no caso na América do Norte.

A diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, disse que ninguém sabe "quanto durará" a incidência de casos leves e lembrou que, enquanto essa nova gripe estiver circulando pelo mundo, não se pode descartar o risco de que se combine com outros vírus.

"Estamos em um momento de grande incerteza", declarou Chan ao inaugurar a Assembleia Mundial da OMS, a maior reunião mundial sobre saúde e que este ano coincide com o surto da gripe, assunto que monopoliza a atenção e centrará os debates.

Chan pediu à comunidade internacional que aja para "proteger os países em desenvolvimento" e evitar que sejam os mais prejudicados por um contágio mundial, particularmente em uma época em que "o volume e a frequência das viagens aumenta a exposição".

"Qualquer cidade e aeroporto internacional corre o risco de ter casos importados. Precisamos de uma solidariedade mundial. Todos estamos juntos nisso e sairemos juntos", completou.

Paralelamente, Chan se mostrou receptiva à reivindicação de várias delegações, entre elas as de Reino Unido, China, Japão e Tailândia, para que a OMS seja muito cautelosa caso decida elevar a 6 o nível de alerta mundial.

Alguns países consideraram que o critério da extensão geográfica do vírus não é suficiente para levar o alerta a seu nível máximo e que também é preciso considerar a severidade dos casos.

Sobre as características mostradas ultimamente pela gripe, a diretora-geral da OMS mencionou que o vírus é passado facilmente de pessoa para pessoa, embora com infecções leves, e que se expande rapidamente a novos países.

"É um padrão que acreditamos que continuará", afirmou Chan, que lembrou que as evidências científicas indicam que as mulheres grávidas são especialmente vulneráveis ao vírus.

A assembleia da OMS durará até sexta-feira, após ter tido sua duração reduzida para permitir que as autoridades de saúde presentes possam retornar o mais brevemente possível a suas funções para combater a gripe.

Apesar do nome, a gripe suína não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados. EFE is/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.