OMS: leite materno poderia salvar vida de 1,3 milhão de crianças a cada ano

Genebra, 31 jul (EFE).- A cada ano se salvaria a vida de 1,3 milhão de crianças menores de um ano se elas fossem alimentadas exclusivamente com leite materno, segundo a doutora Konstanz Vallenas, do departamento de saúde infantil da Organização Mundial da Saúde (OMS) Do dia 1º a 7 de agosto se celebra a Semana Mundial da Lactação Materna, cuja importância as Nações Unidas quer ressaltar este ano sob o lema Lactação Materna: Uma resposta vital em emergências.

EFE |

Estamos preparados".

A doutora Konstanz lembrou que atualmente apenas 40% de todos os bebês de entre 0 e 6 meses se alimentam de leite materno, e este não só evita a desnutrição, mas também problemas mortais na infância como diarreia e pneumonia.

Os estudos demonstram que a lactação materna constitui a intervenção preventiva individual mais eficaz em relação à sobrevivência das crianças, já que pode evitar entre 12% e 15% do total de mortes de menores de cinco anos do mundo em desenvolvimento.

"Durante as situações de emergência, crianças e suas famílias se veem obrigados em muitos casos a sobreviver sem alimentação adequada, sem água potável e sem saneamento ambiental", assinalou a diretora-executiva do Unicef, Ann Margaret Veneman.

"O leite materno constitui uma excelente fonte nutritiva para os lactantes e, quando se carece de água potável, protege meninos e meninas de curta idade de doenças perigosas transmitidas pela água, como a diarreia".

Além disso, está demonstrado que a lactação materna também protege os lactantes das doenças infecciosas e das vias respiratórias, fortalece seus sistemas imunológicos e ajuda a protegê-los de diversas doenças crônicas durante o resto de suas vidas. EFE mh/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG