Tamanho do texto

Genebra, 2 jun (EFE).- Keiji Fukuda, diretor-adjunto da Organização Mundial da Saúde (OMS), definiu a expansão do vírus da gripe suína como uma situação moderada.

"A situação poderia ser definida como moderada, dado que não podemos afirmar categoricamente que seja leve", afirmou Fukuda em uma teleconferência.

O diretor da OMS lembrou que a imensa maioria dos casos são leves e não requerem internamento hospitalar, mas o fato de que há algumas infecções sérias e até fatais faz com que não possam definir a atual situação como leve.

"O fato de os casos sérios e fatais se darem entre pessoas com problemas crônicos, mas também entre adultos antes saudáveis nos faz duvidar em declarar que a situação é leve", explicou Fukuda.

Segundo os últimos dados confirmados hoje pelos laboratórios da rede da OMS, os casos de pessoas infectadas pela gripe já chegam a 18.965 em 64 países, dos quais 117 derivaram em morte.

Por tudo isso, a agência de saúde da ONU mantém o nível de alerta pandêmico no nível 5 (máximo de 6), apesar de Fukuda ter dito que "se está perto da fase 6".

O diretor explicou que, após várias consultas com especialistas de todo o mundo, a OMS decidiu que para subir à fase 6 será avaliada de forma paralela a expansão do contágio e a seriedade dos casos.

No entanto, alertou que a seriedade pode variar de país para país em função do estado da população e de sua predisposição ao contágio.

Apesar do nome, a gripe suína não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados. EFE mh/rr