OMS anuncia primeira pandemia de gripe do século 21

Por Stephanie Nebehay GENEBRA (Reuters) - A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou na quinta-feira a primeira pandemia de gripe do século 21, exortando os países a reforçar suas defesas contra um vírus cujo avanço não pode ser freado, mas que até agora vem mostrando ser de força moderada.

Reuters |

A agência das Nações Unidas elevou seu alerta para a gripe para o nível 6, numa escala de 1 a 6, indicando que está em curso a primeira pandemia de gripe desde 1968.

"Este é um dia muito importante e desafiador para todos nós", disse a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, a jornalistas em teleconferência.

"A avaliação mundial feita no momento é que estamos assistindo a uma pandemia moderada."

Atendendo às recomendações de especialistas em gripe, a OMS reiterou o conselho a seus 193 países membros de não fecharem suas fronteiras nem imporem restrições às viagem para dificultar o deslocamento de pessoas, bens e serviços.

A passagem para o nível 6 reflete o fato de que a doença, conhecida largamente como gripe suína, está se espalhando geograficamente, mas não é indicativo de sua virulência.

De acordo com Chan, "a elevação para nível 6 de pandemia não significa que veremos um aumento no número de mortes ou casos muito graves da doença".

"Pelo contrário. Muitas pessoas estão adoecendo levemente e se recuperando sem tomar remédios, e isso é uma boa notícia", disse ela.

VACINAS

A OMS recomendou que os fabricantes de medicamentos completem nas próximas duas semanas a produção da vacina contra a gripe sazonal para o próximo inverno no hemisfério norte. Cada ano a gripe normal mata até 500 mil pessoas e contamina milhões de outras.

A gripe sazonal afeta sobretudo os idosos e leva milhões de pessoas a adoecer gravemente. Por isso, uma mudança prematura na produção de vacinas, para fazer frente à nova gripe, poderia colocar muitas pessoas em risco.

Chan disse que a recomendação da OMS é que os fabricantes de vacinas terminem de produzir a vacina contra a gripe sazonal e depois comecem a produzir vacinas contra a nova gripe.

Os mercados mundiais desprezaram a possibilidade de pandemia, com os investidores voltando sua atenção à possível recuperação econômica global.

Comunicar informações sobre riscos potenciais durante uma pandemia é complexo e "é um desafio enorme, em vista das incertezas científicas", disse Chan.

"Mas nossa maior preocupação é a tendência à complacência. Porque precisamos continuar a monitorar este vírus, seguir sua progressão e não permitir que ele volte em uma segunda onda para nos causar mais problemas."

A transmissão em grande escala do vírus em Victoria, na Austrália, assinalando que está fixando raízes em outra região além da América do Norte, foi um dos fatores chaves que levou a OMS a declarar nível 6 de alerta.

A nova gripe pode ser tratada com os medicamentos antivirais oseltamivir, nome genérico dos comprimidos Tamiflu, produzidos pela Roche Holdings, e com Relenza, um spray fabricado pela GlaxoSmithKline.

A gripe emergiu em abril no México e Estados Unidos e já se difundiu amplamente. Até agora foram informados 28.774 casos da gripe em 74 países, com 144 mortes confirmadas, segundo a contagem mais recente da OMS de casos confirmados em laboratório.

Mas o número real de pessoas que contraíram a gripe pode chegar a pelo menos algumas centenas de milhares, já que os casos mais brandos podem não ter sido detectados.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG