Olmert nega pressão dos EUA e diz que é livre para agir contra Irã

Washington, 25 nov (EFE).- O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, assegurou nesta segunda-feira que Israel é livre para impulsionar qualquer medida que acredite necessária para se defender do Irã, e negou que os Estados Unidos lhe pressionem para que descarte uma intervenção militar contra esse país.

EFE |

As declarações do premiê acontecem um dia após uma reunião com o presidente americano, George W. Bush, e para abordar assuntos da agenda bilateral e regional, entre eles o Irã.

"Não me lembro de ninguém na Administração (dos EUA), nem sequer nestes últimos dias, que tenha me aconselhado ou a qualquer dos meus representantes a não adotar medidas que acreditamos necessárias para a segurança fundamental do Estado de Israel, e isso inclui o Irã", afirmou.

Em setembro, o diário "Ha'aretz" afirmou que os Estados Unidos tinham rejeitado um pedido israelense de um pacote de ajuda de segurança que incluía um corredor aéreo no Iraque, por temor de que fosse usado para bombardear instalações nucleares do Irã.

Olmert assinalou que falou "por muito tempo" sobre o Irã com o presidente Bush, o vice-presidente Dick Cheney, e a secretária de Estado Condoleezza Rice, com que se reuniu na segunda-feira em uma visita oficial.

"Há um entendimento básico, profundo sobre a ameaça iraniana e a necessidade de agir para eliminar essa ameaça", disse o premiê israelense.

Israel considera o Irã a maior ameaça a sua segurança nacional, pelo desenvolvimento de seu programa nuclear e suas reiteradas ameaças de destruir o Estado judeu. EFE cae/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG