Tzipi Livni, tenta assumir a frente do Governo." / Tzipi Livni, tenta assumir a frente do Governo." /

Olmert é interrogado novamente por caso de corrupção em Israel

O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, passou nesta sexta-feira pelo quarto interrogatório sobre o caso de corrupção que o obrigou a desistir de concorrer às primárias do partido Kadima, enquanto a ministra de Exteriores, http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/07/31/tzipi_livni_a_mais_poderosa_israelense_desde_golda_meir_1485075.html target=_topTzipi Livni, tenta assumir a frente do Governo.

EFE |

AP

Tzipi Livni é apontada como favorita à sucessão

Pouco antes de a Polícia submeter Olmert a mais perguntas sobre as suspeitas de suborno que lhe custaram o cargo, as investigações apontavam Livni como favorita para substituí-lo, inclusive se as eleições gerais fossem antecipadas.

Segundo a imprensa local, que cita fontes ligadas à investigação da qual o primeiro-ministro ainda é alvo, Olmert poderia voltar a ser interrogado nas próximas semanas antes da formalização das acusações.

Caso este outro interrogatório aconteça, será o quinto durante o calvário do chefe de Governo, acusado por testemunhas de duplicar faturas e receber milhares de dólares do empresário americano Moris Talansky quando era ministro e prefeito de Jerusalém, nos anos 90.

Após meses negando culpa e resistindo a fortes pressões da oposição, das legendas de maioria governamental e de seu próprio partido, Olmert anunciou na quarta-feira sua renúncia, embora continuasse proclamando inocência.

Consciente da falta de apoio no interior do partido, Olmert disse que abandonará o cargo depois que o Kadima eleger um novo líder nas eleições primárias, que serão realizadas no dia 17 de setembro.

O cenário inclui a condição de que o novo líder do Kadima o substitua à frente do Executivo caso a atual maioria governamental se mantenha.

Tal possibilidade foi rejeitada por Benjamin Netanyahu, líder do primeiro partido da oposição, o conservador Likud, que até esta semana liderava as intenções de voto nas pesquisas e exigiu a convocação antecipada das eleições gerais.

A surpresa aconteceu hoje, quando, horas antes de Olmert ser interrogado de novo pela Polícia , foi divulgada uma pesquisa que coloca Livni como favorita para as primárias do Kadima mesmo antes da convocação eleitoral.

Livni lidera pesquisa

Segundo a pesquisa, realizada pela empresa Dialog para o jornal "Ha'aretz", Livni contaria com intenções de voto de 41%, contra 32% do principal adversário - o ministro dos Transportes, Shaul Mofaz -, para liderar o partido.

Além disso, Livni superaria Netanyahu diante da eventualidade de eleições gerais, cujos resultados concederiam ao Kadima - enquanto o partido for liderado por Livni - 26 cadeiras, frente às 25 do Likud.

Outro ponto de discórdia foi a do Partido Trabalhista, liderado pelo atual ministro da Defesa, Ehud Barak, que obteria só 14 cadeiras, mas que desponta como forte candidato.

Embora seja o principal parceiro do Kadima na maioria governamental, o Partido Trabalhista foi muito duro com Olmert pelo escândalo de corrupção do primeiro-ministro, que mantém tensas relações pessoais com Barak.

O ministro de Defesa obrigou Olmert a convocar primárias em seu partido sob a ameaça de se retirar do Governo - ultimato determinante para que o primeiro-ministro jogasse a toalha.

Livni agora depende do ministro da Defesa para assumir o posto de Olmert na Chefia do Governo - já que tudo indica que ela ganhará - e para as eleições gerais serem antecipadas.

De acordo com a última pesquisa eleitoral, o resultado seria o mesmo com o tempo, e o que estaria nas mãos do ministro da Defesa seria o calendário para que seu colega de Exteriores chegue, mais cedo ou mais tarde, ao poder.

Leia mais sobre Olmert

    Leia tudo sobre: olmert

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG