Oito pessoas morrem em confrontos entre facções rivais no norte do Líbano

Beirute, 23 jun (EFE).- Os confrontos armados entre partidários da maioria e da oposição aumentaram hoje em Trípoli (norte do Líbano), subindo para oito o número de vítimas fatais desde o último domingo, enquanto o número de feridos subiu para 45.

EFE |

Fontes militares libanesas disseram à Agência Efe que uma força conjunta do Exército e da Polícia está pronta para entrar e impor a ordem nos bairros mais conflituosos e "fazer calar todos os que estiverem disparando, seja quem for".

Os combates, que começaram na madrugada de ontem nos bairros de Bab el-Tebaneh e Jabal Mohsen, no norte da cidade, são entre sunitas partidários da Corrente Futuro (dirigida por Saad Hariri) e alauítas, seita dissidente do xiismo aliada ao Hisbolá.

Testemunhas na região não acreditam que o Exército conseguirá sufocar os confrontos com facilidade, por causa da intensidade dos confrontos entre os adversários e a potência do armamento de que dispõem.

As emissoras de TV mostraram imagens nas quais é possível ver colunas de fumaça causadas aparentemente por foguetes, além de ouvir o barulho de fuzis automáticos.

As facções rivais se acusam mutuamente de serem responsáveis pela explosão da violência, que traz mais tensão ao país no qual o primeiro-ministro libanês, Fouad Siniora, ainda não conseguiu formar um novo Governo por falta de consenso.

As reuniões realizadas ontem em Trípoli entre as duas partes não deram resultados, apesar da presença de moderadores como o mufti (máxima autoridade religiosa) da cidade, Malek Chaar.

Estes combates mostram até que ponto é frágil a solução conseguida a duras penas em maio em Doha por todas as partes libanesas para acabar com uma crise que durou mais de um ano e deixou o Líbano radicalmente dividido em duas partes.

Leia mais sobre: Líbano

    Leia tudo sobre: líbano

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG