Oito mortos e 66 feridos em atentado em mesquita no Irã

Oito pessoas morreram e 66 ficaram feridas em um atentado contra uma mesquita da cidade de Shiraz, sul do Irã, informou a agência semi-oficial Fars, com base em fontes do governo.

AFP |

Segundo a Fars, o atentado foi cometido por volta das 21H00 locais (13H30 de Brasília) durante o sermão semanal de um clérigo sobre os wahabitas - muçulmanos sunitas extremistas, majoritários na Arábia Saudita - e os bahais, considerados infiéis pelo poder islâmico no Irão.

O sermão era feito pelo hoyatoleslam (título honorífico dos clérigos xiitas) Anjavinejad.

O número de vítimas pode aumentar, segundo a agência. O sermão era ouvido por jovens dos dois sexos.

A explosão deixou vários mortos e feridos, anunciara mais cedo a televisão estatal, que não especificou o número de vítimas.

Sintoma da gravidade do atentado é que os hospitais da cidade fizeram um pedido à população de doação de sangue e todas as enfermeiras foram chamadas de volta ao trabalho.

Shiraz é uma das cidades mais famosas do Irã e um destino turístico muito procurado por sua proximidade dos vestígios do império persa Aquemênida (550-331 antes de Cristo).

A mesquita fica em um bairro residencial no centro de Shiraz, de acordo com a Fars.

"Abrimos uma investigação sobre as causas do atentado", declarou Mohammad Reza Hadaegh, governador adjunto da província para questões de segurança, informou a agência oficial Irna.

Segundo ele, o atentado tinha como alvo o centro cultural e religioso Rahpuyan, situado na mesquita.

Este tipo de atentado tem sido pouco comum no Irã nas duas últimas décadas, depois que o país registrou vários ataques com bombas, por parte de grupos de oposição considerados ilegais, nos primeiros anos posteriores à Revolução Islâmica de 1979.

O último grande atentado no Irã aconteceu em fevereiro de 2007, quando 13 Guardas da Revolução faleceram em um ataque cometido em Zahedan (sudeste) e atribuído a rebeldes sunitas.

Shiraz não tem minorias étnicas ou religiosas importantes, ao contrário das províncias fronteiriças do país, onde às vezes são registrados atos violentos.

As províncias de Juzestão (sudoeste, com forte minoria árabe e sunita), Curdistão (oeste, de maioria curda) e Sistão Baluchistão (sudeste, minoria sunita) sofreram atentados e confrontos armados durante os últimos dois anos.

Em setembro do ano passado, o religioso xiita Samir Dor-Kavandi, imã em um bairro de Ahvaz, capital de Juzestão, ficou ferido em um atentado. Esta cidade foi cenário de uma série de atentados fatais em 2005 e 2006, atribuídos a grupos árabes separatistas, que deixaram dezenas de mortos e feridos.

Esta é a primeira vez que um atentado é executado em uma província não fronteiriça do Irã.

sgh/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG